quarta-feira, 14 de novembro de 2018

Você está em "overtraining"? Está tudo na sua cabeça fodida

Por James Lewis

Acho surpreendente e inacreditável que as pessoas estejam tão apegadas à ideia de que o overtraining é uma aflição comum da qual todos na Terra, com um físico decente, devem estar sofrendo. Atualmente eu trouxe isso a tona. A crença penetrante e deletéria de que o overtraining é uma doença comum do treinamento está inegavelmente enraizada no precipitado declínio do tecido físico e intelectual do homem ocidental moderno. As pessoas insistem que a única maneira pela qual alguém pode ter sucesso em atividades físicas amadoras é fazer uma de duas coisas: 1) treinar MENOS, ou 2) usar um monte de drogas, cuja função é que os esforços hercúleos são completamente evitados pelo fato de você estar utilizado um atalho químico.

A primeira opção  reflete e exacerba simultaneamente o câncer social da fatalidade, estupidez e indolência com as quais somos constantemente perseguidos. O que, você precisa de mais tempo para assistir reality shows vendo um monte de pessoas insípidas e superficiais viverem estilos de vida impossíveis e depois disso ir trabalhar num emprego que você detesta pra comprar merdas que você não pode pagar achando que com isso as pessoas irão associá-lo com a mesma craca anal que viram na tv? Legal.

O segundo é ridículo por várias razões, mas a maior é que não importa se você alcança o seu sucesso na cultura física através do uso de EA´s ou não - todo mundo vai acusá-lo de usar tudo, desde insulina, esteroides e GH. Independente se você usar ou não  os "equipamentos", as pessoas vão encontrar uma maneira de negar o seu sucesso, porque eles acham que é impossível. Farão isso porque o homem moderno sempre acredita que os seus problemas são culpa de todo mundo, menos de si mesmo. Portanto, o fato de não poderem competir com pessoas que se esforçam muito mais do que eles próprios evidencia indiscutivelmente que isso é resultado de trapaças da parte do vencedor.

Essas questões são ainda mais ridículas se observarmos que atletas profissionais e olímpicos são considerados superiormente motivados de alguma forma, estando acima dessas críticas ilógicas. Assim eles deveriam ser descartados como absurdos "fora da curva", mas dado o ar onipresente de ignorância e estupidez impulsionado pela desinformação, um olhar mais atento é necessário.


Roy Benavidez - uma máquina de matar incontrolável durante a Guerra do Vietnã, que mesmo fuzilado em cada parte de seu corpo, carregou  sozinho um esquadrão de soldados feridos para dentro de um avião. Pendurado convocou ataques aéreos, mesmo depois de levar  mais balas e estilhaços de granadas, simplesmente porque ele não estava com vontade de morrer.

Isso nos leva ao cerne da questão - o poder da crença. Não, não estou me referindo a suas opiniões religiosas. Eles são completamente imateriais, exceto pelo fato de que se você acredita que é dotado de algum tipo de poder metafísico, você terá, simplesmente porque sua mente preenche seu corpo com força. Sargento Rory Miller, autor do que é na minha opinião um trabalho psicológico seminal "Meditations on Violence", discute com alguma extensão o fato de que as pessoas freqüentemente morrem em situações violentas porque são condicionadas pela televisão. Quantas vezes nos filmes você viu uma pessoa morrer com um tiro no intestino? Muitas vezes e quase instantaneamente. Na verdade, ferimentos por arma de fogo podem levar semanas para matar você. No entanto os policiais estão condicionados à crença de que um tiro matará uma pessoa e, com freqüência, morrem de ferimentos que poderiam sobreviver, simplesmente porque eles acreditam que devem morrer. (pp. 61, 83)

Acontece que o overtraining funciona da mesma maneira, embora no "Eastern Bloc" eles se refiram a esse fenômeno como "staleness". De acordo com Zatsiorsky, "staleness" é um fenômeno que ocorre devido ao estresse psicológico que é criado pelo treinamento contínuo em volumes de treinamento quase máximo. Fazer isso com freqüência é incrivelmente desgastante mentalmente, e esse esgotamento mental, como as questões mentais costumam fazer, se manifestam fisicamente. Os sintomas de "staleness" são os seguintes (Zatsiorsky, Vladimir, "Intensity of Strength Training Facts and Theory Russian and Eastern Approach", p. 15):

- diminuição do vigor;
- ansiedade e depressão elevadas;
- sensação de cansaço nas primeiras horas da manhã e percepção de esforço ao levantar um peso fixo;
- pressão alta em repouso;


Horrivelmente "overtrained". Horrivelmente. Mas você pode dizer porque ele é ...estupidamente forte e trincado, eu acho.
Soa familiar? Deveria, porque cada maldito trapo de musculação do planeta os relaciona como respostas fisiológicas à exaustão física criada pelo excesso de treinamento de um corpo. Isso, meus amigos, é importante, pois explode um buraco gigante numa teoria que já deveria estar em uma posição lógica extremamente tênue no cérebro de qualquer pessoa pensante. Além disso, certamente fode com as cadelas "você só pode treinar assim com esteroides", a menos que eles alterem seu argumento contra esteroides para a miríade de efeitos positivos dos altos níveis de testosterona no bem-estar psicológico, que em por sua vez, destrói o argumento "roid rage".

A conclusão de Zatsiorsky é treinar com pesos máximos ou quase máximos de competição, apenas 600 vezes por ano. Eu suponho que parece razoável, dado que os búlgaros fazem isso 4000 vezes por ano.

Claro, eles podem treinar o tempo todo, porque esse é o trabalho deles. Esse é o próximo argumento contra o alto volume de treinamento, não é? Invariavelmente, eles caem nisso - pessoas que treinam assim não têm vida, não têm outros interesses, não têm filhos, sem esposas, sem outras responsabilidades, sem diversão e blá blá bullshit. Você sabe o que são esses argumentos? Uma admissão tácita de que a verdadeira razão pela qual as pessoas recusam a eficácia do treinamento de alto volume e alta intensidade é porque elas não querem treinar desse jeito. Assim, elas não querem que os outros o façam, pois isso degrada ainda mais suas opiniões pessoais de si mesmos.

Uma citação que você pode pular se quiser:

Uma conseqüência divertida desse "mindset" moderno é a recente sugestão da comunidade de saúde mental de que o exercício pode ser viciante. Isso é simplesmente hilário. Tenho certeza de que eles estão apenas irritados com o fato de que as quantidades massivas de drogas psicotrópicas e estrogênio que o governo permitiu e colocou na água potável não nos transformaram (ainda) no povo que eles querem - não somos fracos e complacentes o bastante. Em breve eles vão começar a restringir a quantia que estamos autorizados a entrar no ginásio para que o nosso estado neofascista babá possa nos salvar de nós mesmos, assim todos os filhos da puta gordos lotando quadras de comida e bufês vão se sentir bem sobre si mesmos. 

Não existe tal coisa como vício em exercício, e mesmo se houvesse, essa porra de instituição médica definitivamente não é uma equipe de especialistas em exercícios qualificados para fazer esse diagnóstico. Certamente, há pessoas malucas por se exercitarem demais, sem comer o suficiente, no caminho errado. Elas são idiotas, e provavelmente ficaram loucas com a certeza de que a merda só parece piorar, em vez de melhorar. Jogue na mistura o envenenamento por estrogênio, açúcar branco refinado, televisão demais, uma sociedade supostamente baseada na liberdade de expressão que a suprime sempre que possível.  É uma conspiração tão profunda à mediocridade que a mente ficaria perplexa se não estivesse em um estado de estupor pela suavidade do fenômeno. Você tem aí uma receita para o desastre.

A prevalência da teoria do "overtraining" é o que a torna tão convincente, ao invés da experiência real dela. Em todas as revistas, em todos os quadros de mensagens, e em quase todos os livros sobre treinamento de força encontram-se avisos e numerosas advertências sobre o irresistível espectro do "overtraining". No entanto a prevalência de uma teoria, dificilmente é evidência de sua validade. Por exemplo, no passado, as pessoas acreditavam fortemente em bobagens como:


  •  A masturbação transformará você no babaca principal dos filmes de Crepúsculo, porque causa "semblante de palidez, olhos horrivelmente ocos, afundados com uma borda vermelha ao redor das pálpebras com círculos pretos e azuis". As masturbadoras, eles acreditavam, sofriam de insanidade, peitos-murchos, tuberculose (Grant, John. Discarded Science. P. 272-4) Essas crenças agora consideradas absurdas, foram amplamente difundidas e incontestadas na era vitoriana;
  • O caráter de uma pessoa pode ser definido a partir da sua aparência externa. Essa teoria chamada fisiognomia prevaleceu no tempo de Aristóteles e ganhou terreno durante a Idade Média. Na a maior parte do mundo pensante (mas não fisiculturistas), esta teoria morreu depois que William Sheldon publicou Atlas of Men (1940), que separou os seres humanos em três somatotipos distintos, chamados mesomorfos, ectomorfos e endomorfos. Soa familiar? Deveria. Este é o sistema idiota pelo qual cada fisiculturista novato no planeta se diferencia, nunca tendo lido o livro cretino sobre o qual esta pílula de merda de teoria anti-intelectual é baseada. A somatotipagem, como parte da psicologia constitucional, precisa ser relegada imediatamente ao depósito de lixo intelectual junto com seus semelhantes .
  • A humanidade tem menos de 10.000 anos de idade. Sim. As pessoas realmente acreditavam nisso. Oh espere, eles ainda acreditam. Uma pesquisa mostrou que 44-47% da população dos Estados Unidos acredita que as raças humanas é inferior a 10.000 anos de idade, apesar de toneladas literais de evidências em contrário. Ah, e 40% acreditam que a evolução é besteira. (Fonte)

O "overtraining" é muito semelhante aos casos acima mencionados, na medida em que foi tremendamente difícil desiludir as pessoas das suas crenças nessas teorias. As pessoas da era vitoriana realmente acreditavam que uma pessoa tinha um número limitado de orgasmos que poderia alcançar na vida, e que a masturbação minava a força de alguém. Assim como no absurdo da somatotipagem e da não aceitação da evolução, as pessoas ainda acreditam nisso, apesar de haver evidências científicas afirmando o contrário. Como alguém pode acreditar em tanta besteira, mesmo quando se provou ser patentemente, irrefutavelmente e categoricamente falso? Bem, quando essa crença se adapta às suas necessidades, encaixando-se em qualquer cosmovisão idiota a que você atribui, seja cristianismo puritano e anacrônico, ou alguma lenda ridícula da musculação.

"Overtraining" é considerado como uma "síndrome" definido como o desequilíbrio entre repouso e treinamento, onde o treinamento de alguém sobrecarrega a capacidade do corpo de se recuperar. Uma síndrome, você sabe, não é uma doença - é um nome que a comunidade médica dá a uma coleção de sintomas, geralmente para vender um produto. Não acredita em mim? Bem, veja o TDAH e as várias anfetaminas para "cura", também há o vibrador, que foi usado pelos médicos para tratar a síndrome da histeria feminina.


Tratando histeria feminina... hahaha

O outro problema colocado pela onipresença da teoria do "overtraining" é que ela cria uma estrutura que a nossa mente usa para nos afetar fisicamente. Assim, a mídia moderna é um ambiente projetado para o psicossomático (psicossomático significa: relacionar-se com, envolvendo ou preocupado com sintomas corporais causados por distúrbios mentais ou emocionais, de acordo com Merriam Webster). Doenças físicas associadas com "overtraining" se manifestam em nós porque acreditamos que elas devem acontecer. Marketing existe para fazer exatamente isso, e é muitas vezes um espelho distorcido refletindo de volta o pior de nós mesmos. Neste caso, é um reflexo da dedicação americana moderna para uma vida de facilidades. Um artigo intitulado "The Rule of Repetition in Marketing", de Marty Foley, ilustra bem esse fato:

A Regra de Repetição é muito básica, mas poderosa. Simplificando, significa que qualquer comunicação de marketing é mais eficaz quando é repetidamente trazida à atenção do seu público-alvo. Por que a repetição no marketing é tão importante? A maioria das perspectivas não responde imediatamente a uma única comunicação de marketing, ou talvez a várias delas. Há várias razões para isto: Seus "prospects" não estão familiarizados o suficiente com você ainda. A repetição ajuda a construir familiaridade, o que, por sua vez, ajuda a construir credibilidade. Alguns clientes em potencial começarão a reconhecer sua empresa e seus produtos somente depois de vê-los repetidas vezes. Aos poucos, eles vão reconhecer que sua empresa é estável, e não apenas mais uma operação "fly-by-night", e eventualmente começarão a desenvolver confiança suficiente para começar a fazer negócios.

Quando foi a última vez que você leu um artigo ou livro sobre treinamento onde o excesso de treinamento não foi abordado? Provavelmente no dia 7 de nunca. Assim, o "overtraining" é como o  horrível, disforme, inchado, flácido e atrofiado querido filho do Freddy Kreuger. Você fala sobre isso o suficiente, e lê sobre isso o suficiente, e eventualmente você vai começar a acreditar nisso - e é neste ponto que está fodido.



Então, a grande questão é "como diabos nós quebramos a corrente?" Fazemos isso da mesma maneira que sair o ciclo samsara - alcançando a iluminação. Assim como o filho da puta no final de cada filme do Freddy que percebe que o poder da crença funciona nos dois sentidos. O "overtraining" é uma besteira completa, mas o "staleness" é a explicação para os sinais fisiológicos tipicamente associados ao treinamento de alto volume. Assim, temos que derrotar nossas mentes usando os meios necessários. Como o Deebo em "Friday", precisamos ter controle mental sobre aquele filho da puta.

Se você não está treinando com uma frequência e carga que seria uma porcentagem apreciável daquelas com as quais os russos ou búlgaros treinavam, é altamente provável que quaisquer sintomas de "overtraining" que você esteja experimentando sejam psicossomáticos. Infelizmente, o tratamento para desordens psicossomáticas, que é essencialmente o que a maioria dos sintomas de "overtraining" é, não são para todos. Se você tem mais de 45 anos, não é inteligente, sofreu de invalidez por décadas, ou está convencido a ponto de ficar histérico (leia-se qualquer defensor da realidade da sua "doença") o tratamento será ineficaz. O tratamento pode ser feito com terapia medicamentosa, terapia de grupo e psicoterapia de apoio. (E. D. Wittkower, "Treatment of Psychosomatic Disorders" Can Med Assoc J. 1964 2 de maio; 90). Assim, aqui está sua psicoterapia de apoio: PARE DE SER UMA CADELA!! Terapia medicamentosa? Use muita testosterona, estimulantes e NSAIDS quanto forem necessários para facilitar o treinamento mais freqüente. Conforme seu corpo se adapta, você precisará de menos. Quanto à terapia de grupo, este blog é isso.

A hipnose também é recomendada para o tratamento de distúrbios psicossomáticos, mas infelizmente só é útil para melhorar o desempenho de pessoas destreinadas. Para atletas treinados, essa técnica só funciona para degradar o desempenho ... muito na maneira como a ideia de "overtraining" funciona. (Zatsiorky, Vladimir. "Intensity of Strength Training Facts and Theory: Russian & Eastern Approach."  Biomechanics Lab at the Pennsylvania State University, University Park, PA, and the Central Institute of Physical Culture- Moscow, Russia.  P.11).

Há sempre o método dos "Barbarian Brothers", também defendido por John Parrillo e Victor Richards - coma mais e durma mais para que você possa treinar mais. Aparentemente funcionou pro Vic - ele costumava comer 20.000-30.000 kcal, dormir metade do dia e treinar 3 horas a fio. Ele competiu antes do GH se tornar predominante no culturismo, e subiu ao palco com  1,62m e 149kg.



Todo mundo ama o Arnold, certo? Ninguém treina como ele. Por quê? Eles alegam que é impossível sem drogas. Bem - Arnold ganhava peso para as competições porque ele só usava o dbol durante a preparação. Ele treinava da maneira que fazia o ano todo (sem drogas), porque seu corpo estava acostumado a fazê-lo, e ele comeu e dormiu o suficiente para facilitar a recuperação adequada.

Enquanto estamos no assunto, o sono é uma ferramenta importante para prevenir a fadiga mental, assim como o orgasmo onipresente. Sexo é acusado de ser o tranquilizante mais seguro do mundo. Foder três ou mais vezes por semana reduz o risco de ataque cardíaco ou de derrame pela metade. O bom sexo é 10 vezes mais eficaz que o diazepam e outros sedativos quando se trata de proporcionar aos seres humanos uma sensação de alívio, satisfação e tranquilidade no sono e nos estados depressivos.


Goze mais. 

A moral dessa longa odisseia? "Overtraining" é, no geral, estrume. A menos que você tenha rabdomiólise e cuspa sangue, é provável que esteja apenas mentalmente exausto de esmagar pesos pesados. Como tal, treine mais leve por um dia ou dois, durma mais e transe mais. Se você está dolorido, coma mais e beba um balde de água. Problema resolvido.

6 comentários:

  1. Sensacional como sempre. Estava ansioso esperando um artigo novo aqui no Blog. Pra dizer a verdade achei que o próximo seria a continuação do artigo sobre a prática somafera. Uma pergunta: há alguma chance de você fazer um canal no youtube?

    Grande abraço.

    Eusébio.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado pelo feed Eusébio. Logo eu vou postar essa continuação.

      Sobre o canal é bastante improvável, quem sabe no futuro não tão próximo... haha

      Excluir
  2. Isso deriva muito do pensamento de "igualdade" o senso comum tende a achar erradamente que todos somos iguais, então o medíocre nunca vai acreditar que existem pessoas extremamente mais esforçadas e capazes que ele. Ainda mais nessa geração milenicu, que se acham especiais, então para eles é impossível acreditar que existem pesos muito superiores a eles. Assim, se alguém é grande, é porque usa esteroides, e na mente deles isso é "fácil" e qualquer um consegue. Pura auto-sabotagem, esse tipo de gente nunca sai do lugar. @Machado

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Auto-sabotagem, exatamente esse o termo @machado.

      Nunca saem do lugar e puxam para o mesmo buraco todo mundo que está perto, fuja desse tipo de gente urgentemente.

      Excluir
    2. Você também faz parte dos medíocres,Machado. Não é a toa que possui o típico perfil de user do Legado Realista: arrogante, metedor da Real e metido a sabichão/homem de sucesso. Na boa,os melhores users daquele fórum quase nem postam. Os cânceres lá são principalmente os old school mais ativos:Roland (era normal, mas por comportamento de rebanho virou um lixo), Gashead, Minerim (o palhaço metido a machão, mas que é obcecado por gays, o que denota claramente um homossexualismo enrustido),etc.

      Excluir
    3. W.N, eu concordo com vc num aspecto amplo, porém eu acho que é preciso filtrar as coisas que lemos lá pq tem muito personagem. Inclusive já que vc citou, o roland que era metido a machão lá no fórum segundo fiquei sabendo parou de frequentar pq a mulher dele proibiu... hahaha . Bem, vc deve estar bem ciente disso afinal. Vc era algum user de lá ou só visitante?

      Se não quiser responder tudo bem ... de mais a mais, obrigado pelo feed aqui no blog

      Excluir