quinta-feira, 3 de março de 2016

Efemeridade da vida

Temas sobre masculinidade sempre me fascinaram e fascinam. E refletindo sobre mais um livro incrível que descreve o universo masculino, sobre experiências pessoais e as discussões aqui do blog, eu tive um insigth acerca da brevidade e e efemeridade da nossa existência nesse mundo, da importância desmedida que damos a nós mesmos e de como entender e aceitar isso, pode nos transformar em homens melhores. 
[Imagem: Meridiano-de-Sangue.jpg]
Meridiano de Sangue é um livro cruel. Que descreve e mostra o mundo de forma nua e crua sem frescuras, e com bastante sangue. É um livro que exala testosterona e retrata o universo masculino de forma única. Lendo as palavras que lá foram escritas, e relembrando de coisas que passei, eu me dei conta, como já falei, da efemeridade da nossa existência, e que a essência do que é ser homem reside em estar em constante "conflito" com a nossa própria situação. O mundo não liga para nós e não se importa em nos destruir. Precisamos reagir de alguma forma.
O que me levou a discorrer esse tópico foi essa passagem fantástica: 


Citação:Em uma elevação no extremo oeste da playa eles passaram por uma rústica cruz de madeira onde maricopas haviam crucificado um apache. O cadáver mumificado pendia de seu mastro com a boca escancarada num buraco brutal, uma coisa de couro e osso areada pelos ventos abrasivos de púmice vindos do lago e com a branca armação das costelas entrevendose pelos farrapos de pele que pendiam de seu peito. Seguiram em frente. 1


Os cavalos marchavam sombriamente no solo alienígena e a terra redonda rolava sob eles em silêncio como uma mó girando no vácuo ainda maior onde estavam contidos. Na austeridade neutra daquela região a todos os fenômenos era legada uma estranha equanimidade e nem uma única criatura fosse uma aranha fosse uma pedra fosse uma folha de mato podia reclamar precedência. 2

A própria clareza desses entes desmentia sua familiaridade, pois o olhar atribui predicado ao todo com base em algum traço ou parte e ali nenhuma coisa era mais luminosa que outra e nenhuma mais ensombrecida e na democracia óptica de tais panoramas toda preferência é tornada em capricho e um homem e uma pedra veem-se dotados de afinidades insuspeitas.
 3

A profundidade dessa passagem é muito grande e é um chamado a nossa masculinidade encoberta por esse monte de boiolagens de hoje em dia. No ponto 1, podemos fazer uma analogia entre a situação do índio crucificado com a crueldade e horror que é o mundo em diversos momentos e situações. Todos nós realistas, sabemos qu o mundo não é justo, e que muitas vezes não é bonito, mas o que os homens que perceberam o horror dessa situação fizeram. Pararam e choraram igual umas maricas como vc faria, ou seguiram em frente, mesmo dado o perigo e horror da situação? Seguiram em frente. Independente do que acontece ou apareça, o homem deve seguir em frente no seu propósito. O mundo não é nem um pouco belo para quem é fraco, e ele vai te destruir sem se importar nem um pouco se vc não reagir. Muitos foram, muitos virão, e o seu papel aqui é lutar para seguir em frente até onde for possível. Isso é inerente a masculinidade. Não afrouxar ou perder o controle em situações difíceis, perigosas ou horríveis. 

Aliás uma lição que é muito evidente ao longo de toda a narrativa é que qualquer um, seja homens ou animais, que demonstrem fraqueza, são imediatamente eliminados e substituídos. O mundo espera alguma coisa em troca. Seus amigos não são legais com vc? Seus pais não gostam de vc? Sua namorada caga e anda pra vc? Talvez o problema não sejam os outros e sim vc que não agrega nada a ninguém e não tem um propósito de vida. Quem que vai querer andar do lado de um fracassado? 

Você sempre estará sendo testado e colocado a prova, e isso não te faz especial. Seus problemas não são os maiores do mundo, e debaixo do firmamento, vc e uma pedra tem o mesmo valor, como veremos adiante. A nosso única vantagem em relação as demais coisas do mundo é ter a possibilidade de ter a consciência dessa situação. Com base nisso temos a obrigação de fazer alguma coisa com as nossas vidas, afinal, ao mesmo tempo que são efêmeras, são únicas, e só terá sentido se tivermos um propósito. Sem um propósito somos como uma maldita pedra. Totalmente indiferentes. 

[Imagem: NicholasBuerAstrophotography18.jpg]
Será mesmo que vc é tão importante assim o quanto acha que é, paspalho?!
 

No ponto 2, podemos perceber que nada é especial por aqui, e uma coisa de ruim que me acontece, pode acontecer com qualquer um e vice-e versa. Como eu falei, a princípio temos todos o mesmo valor, o que vai nos diferenciar é o que fazemos com a vida que nos foi dada. 
Recentemente eu vi um juvena (no FdBaqui se queixando que não sabe nada de nada e a vida está sendo dura com ele. Veja bem paspalho, se vc estiver lendo isso, entenda que a VIDA é uma constante que nunca para. A partir do momento que um organismo para de reagir, ele pode ser considerado como morto, e outra coisa virá em seu lugar e em pouco tempo este será esquecido. Seja uma árvore, seja seu cachorrinho, seja vc mesmo. Se vc quer se orgulhar de poder viver, honrar o que lhe foi dado e se sentir grato e feliz, REAJA. A inércia significa morte. Não é a realidade que precisa se ajustar a nós. Nós precisamos nos ajustar a realidade de que vida é ação. Veja que no trecho do livro isso fica bem explicito. O mundo vai girando, e girando, sem nunca se interromper, e os homens permanecem vivos e iterados, pq vão atrás de seus propósitos. Isso é viver. 

Esperar chorando em um quarto escuro que alguém tenha piedade de vc é ridículo e só vai fazer com que vc se autodestrua. Lembre-se, INÉRCIA É MORTE


[Imagem: Forrest-Gump.jpg]
Siga em frente, que eu prometo que sua vida melhorará.


O ponto 3 apenas sintetiza a ideia que eu tentei passar aqui. Que mesmo vc sendo um cara útil, rico, famoso, etc., logo isso também vai passar. Já leu Eclesiastes hoje paspalhão? Esse é um paradoxo que o realista precisa entender, a vida é muito importante e um grande milagre, ao mesmo tempo que é efêmera e passageira, e vc só vai se sentir grato por ela, se viver por um propósito que vai além de si mesmo. 

É interessante notar que essa ideia de efemeridade é bastante explicita no livro todo, onde o próprio personagem que deveria ser o principal, praticamente não passa de um coadjuvante que vê os fatos de longe e tem pouca importância na tomada de decisões. Alias a vida toda dele se mostra apenas como mais uma. É subordinado á um sujeito 3 bolas bastante cruel que percebeu também que tudo é vaidade, e quem escreve a nossa história somos nós mesmos, e não as circunstâncias como os vitimistas esquermerdistas e manginas gostam de dizer. E que se vc viesse se vitimizando pela situação lamentável ao qual se encontra, ele lhe meteria uma bala no meio das fuças. Se está ruim, se vire para mudar o jogo. Ele é um cara que tem a própria vida muito bem colocada nas próprias mãos, não exita na hora de agir.

Nos da lição de que se permanecermos acovardados não seremos lembrados por nada. A masculinidade gira em torno de legados, e de um constante conflito contra o mundo que tenta nos derrubar muitas vezes. Um realista entende isso, e participa desse conflito de forma a vencer a si mesmo e as forças hostis, e faz algo em prol de ajudar os demais a sair dessa situação de morte, de inercia. Por isso a minha reflexão, por isso os relatos, por isso o fórum, por isso a real e a masculinidade como um todo.


[Imagem: Screen+shot+2011-02-14+at+8.15.48+PM.png]
Sua namorada te largou? Nossa, que triste. Não pode ver aquele filme novo? Foda. Não passou naquele concurso? Que ruim. Mas e ai, vai ficar ai chorando feito um mongolão?

TOME O CONTROLE DA SUA DROGA DE VIDA ANTES QUE ELA PASSE, E COMO DIZ O MESTRE PRAGA, NÃO ADIANTA SE LAMENTAR QUANDO ESTIVER COM O PÉ NA COVA!