segunda-feira, 10 de dezembro de 2018

Mais Considerações Sobre a Testosterona - PT5

Por: Héracles 
Revisado por: Daniel Castro 


Pois bem, chegamos a mais um capítulo dessa série. Muitas coisas aconteceram nesses últimos meses, e algumas não foram "tão boas assim". Mas como prometi ser transparente vou relatar aqui no meu blog pessoal, porque talvez eu esteja passando a ideia que só coisas boas vem acontecendo e não é absolutamente verdade. Mas antes que você, hater filho da puta fique feliz, não é nada que tenha feito eu me arrepender ou que eu ache que não tenha valido a pena, foram apenas turbulências normais no trajeto de qualquer viagem, coisa que quem busca FAZER as coisas em vez de teorizar e procurar a resposta pronta na internet já está previamente preparado para superar. Vamos ao que interessa.


Já sabem né ...

Fiz algumas experimentações novas nesses últimos meses, tanto nos recursos como nos treinos e dieta e as impressões foram as mais variadas possíveis. Talvez por que eu tenha tomado algumas decisões erradas, ou talvez por não ter dado o tempo suficiente de adaptação que o meu corpo necessitaria, não sei. A questão é que mutas lições foram aprendidas e eu vou compartilhar esse conhecimento com vocês, de graça.

Gostaria de começar pela experiência do uso da nossa querida "trembolona", e sua posterior interrupção. Bem, o que eu percebi quanto à mudança psicológica que ela causa é que você só vai se dar conta de fato que ela aconteceu quando parar de usar. Sim, eu tinha bastante certeza que estava tudo normal comigo, que a minha cabeça não tinha mudado muito, mas como toda pessoa que começa a ficar louca, ela mesma é a última a perceber, SE perceber, porque normalmente nunca se darão conta da loucura. Com a trembolona não é muito diferente, eu tinha noção que alguma coisa tinha mudado com relação a minha mente e o meu relacionamento com as pessoas à minha volta mas para mim, era uma mudança mínima. Tive a noção real do quanto eu estava diferente quando parei de usar.

Eu não escrevi isso querendo assustar ninguém, mas se você tem algum tipo de "complicação" psicológica tipo depressão ou ansiedade, muita instabilidade emocional, ou tem uma rotina altamente estressante, é melhor evita-lá. Eu não sei muito bem os mecanismos de ação, mas ela altera nossa mente de uma maneira que parece amplificar o nosso "cérebro reptiliano" ou límbico, que segundo os cientistas, são os primeiros estágios da evolução do nosso cérebro e estão presentes mais predominantemente na constituição encefálica de formas menos "evoluídas" como os grandes mamíferos. Talvez isso ocorra porque essa substância seja feita para bovinos e não para humanos, enfim. Quando estamos sobre influência amplificada do nosso cérebro reptiliano nos tornamos menos "empáticos" e mais agressivos. A verdade é que você não se importa com nada sobre vida das outras pessoas, se você ficar meses sem ver ninguém, sem saber nada de nada que não seja coisas que satisfação esse cérebro primitivo, tanto faz. Você adquire um gosto extra por coisas violentas, perigosas, por sexo mais selvagem e de preferência sem sentimentalismo. Se quer se permanecer fiel, fique longe disso.






Simplificando, ela potencializa essas características que lemos sobre os animais alfas, que só se importam em impor o seu poder sobre os outros e não ligam para sentimentos estúpidos, apenas com competição, vitória, poder, sexo e sanar os desejos primitivos. Soa um pouco poético mas é por aí mesmo. Ela te deixa mais antissocial, bastante propenso a não querer nada mais que treino, sexo e doces nos finais de semana e se possível, durante todo o tempo. E dependendo de como é organizada a sua vida isso pode ser bastante ruim, ou pode ser bom, aí cabe uma auto análise sincera.

Repetindo, testosterona e especialmente trembolona são para pessoas que tem um bom controle mental/emocional e não são cretinos que dependem de coquetéis de remédios tarja preta para saírem da frente do celular e fazer alguma maldita coisa além de rolar o feed do instagram. Se você tem certeza que internalizou os conceitos que discutimos aqui, ela não vai te prejudicar tanto quanto possivelmente prejudique a maioria dos chimpas que resolvem usar para "meter o shape pro verão". Como eu disse, só fui ter uma noção real desses efeitos quando parei de usar, foi num dia qualquer conversando à toa no meu trabalho eu tive um "insight": caralho, isso deve ser por causa que eu parei de usar a tremb. Eu estava mais "feliz" por conversar, tinha mais vontade de socializar, fazer coisas com amigos, namorada, estava menos sádico e os treinos um pouco menos agressivos (o que é bom para a sua saúde articular, porque com a trembolona eu simplesmente não conseguia treinar leve nem por uma dia e por mais dolorido e arrebentado que eu estivesse).

Outro efeito adverso da trembolona são que ela te tira ou reduz muito a sua necessidade de dormir. Teoricamente isso é ótimo se você analisar de um ponto de vista de eficiência e resultados. Dormir dois terços do tempo que seria razoável e se sentir descansado igual é um sonho para qualquer cara que leva a sério qualquer tipo de esporte, porém do ponto de vista de qualidade de vida isso é ruim porque amplifica os efeitos psicológicos "adversos" e deixa a "depressão" ou rebote pós uso ainda pior.  É sabido por todos que se você quer deixar uma pessoa louca facilmente é só fazer ela ficar sem dormir por alguns dias, de duas uma: ou ela morre ou fica maluca. Eu não vou ficar fazendo revisão bibliográfica aqui, mas aposto que deve ter alguns estudos demonstrando que a privação de sono é uma das condições que mais alteram o psicológico humano de forma negativa, ou seja, te deixando antissocial, lesado, psicótico, esquizofrênico e tudo mais. Eu dormia, mas muito pouco, ou melhor, menos que o pouco que eu já durmo, e isso acumulativamente ao longo das semanas potencializa o efeito psicológico da coisa toda te deixando meio lunático e fora de sintonia com o mundo. Ela piora um pouco o sono também, por mais cansado que você esteja tu deita pra dormir e fica se batendo por um tempo, meio que eufórico.

Ela também fez com que eu desenvolvesse uma leve "compulsão" por doce, principalmente chocolate. Antes eu cagava e andava pra chocolate e qualquer outro tipo de doce, não me fazia falta nenhuma, agora se eu não comer alguma coisa doce no dia eu fico mal. Parece que ela altera a liberação do neurotransmissor dopamina no cérebro (diminuiu) por causa disso nosso corpo cria mecanismos para regularizar isso e assim a nossa vontade por doces aumenta, já que compulsão por doces é um dos sinais de dopamina baixa. Eu constantemente tenho muita vontade de comer chocolate, mas consigo me controlar e de doce como alguma fruta com mel uma única vez ao dia. O mel está sendo o meu salvador agora, e os chocolates eu deixo para os finais de semana.


Usem bastante

Outra coisa ruim é em relação a ginecomastia. Eu não cheguei a desenvolver gineco, mas depois de umas 4 semanas usando a tremb, meus mamilos ficaram terrivelmente doloridos e empedrados, e iam ficando cada vez mais conforme as semanas passavam. Eu não sei muito bem como ela age, porque cada lugar que eu leio fala uma coisa diferente, mas ela não aromatiza como a testosterona, porém aumenta e muito a prolactina, e os mamilos possuem MUITOS receptores de prolactina (esse é o homônimo que faz as mulheres produzirem leite na gestação). Nas vezes que eu encostava um peso ou alguma coisa no mamilo doía e doía pracaralho. Eu sei que foi a trembolona porque agora  estou só com a testosterona e nunca mais aconteceu a mesma coisa. Eu rebatia isso usando carbegolina por umas 3-4 semanas seguidas, o que diminuía totalmente a dor e o "empedramento" do mamilo, mas quando terminava o uso desse medicamento, a cada semana a coisa voltava a piorar. O famoso tamox não ajudava em nada nesse caso. Alguns dizem que não é bom usar carbegolina porque é muito forte (realmente é), mas eu usei esse mesmo e deu resultado bom e pelo menos até agora não senti nenhum colateral. Detalhe que eu usava meio comprimidinho por semana, e já era o suficiente. Por aí dá pra ter noção que o remédio é forte mesmo.

Ela também dá muitas espinhas (na região dos ombros e costas), inclusive foi a que me deu mais espinhas disparado porque é muito androgênica, mas como eu tenho preferência por esse tipo de droga, pra mim isso é tranquilo mas se você já tem problema com espinhas, melhor pensar em outra coisa.

Aconteceram alguns casos de disfunção, e eu acho que é devido a tremb, mas não tenho certeza absoluta também. Já li por aí que tremb sem testo é pedir para ficar brocha, mas não sei se realmente procede essa informação. Um dos motivos de sempre manter a testo é justamente para evitar esse tipo de situação. Conforme eu já expliquei nesta série, lidar com esteroides, por mais "entendido" que você ache que é, sempre é um tiro no escuro e você não terá certeza absoluta de como vai reagir. Pode ter problemas graves de disfunção sim com algum derivado da testo ou DHT (di-hidrotestosterona), usando apenas a testo eu acho muito difícil. Alguns falam que usar só deca não trás prejuízo nenhum nesse aspecto, outros falam que sim, enfim... é uma loteria. Usei dianabol por um tempo também, e ela aumentou ASSUSTADORAMENTE minha libido, e é meio que "unânime" a opinião que dbol aumenta a libido, mas mesmo assim não é/foi observado em 100% dos casos. Na dúvida, sempre opte pela testosterona. Como eu namoro, isso não chegou a ser um problema já que eu tinha tempo de voltar ao normal e sempre que precisasse, outras oportunidades (e várias balas para queimar já que sempre fiz o trabalho direito se é que me entendem), agora se você não namora, e está de olho em alguma gatinha com o plano de impressiona-la, você pode ficar na mão literalmente. Lógico que tem muita falácia injustificável, e é um pouco de inveja alheia quando dizem que todo "bombado é brocha", mas que existe alguma verdade no fundo dessa história eu acredito que exista justamente por conta dessas coisas que acabam acontecendo e a gente não tem/teve como prever. Se você não depende só do corpo para conseguir alguém, não precisa se preocupar, acredite, terá outras chances caso isso ocorra.





Quando eu interrompi o uso da tremb eu não senti aquela depressão que é comum, talvez porque eu sempre me mantenha usando a testo, mas a queda no rendimento dos treinos foi visível, mas isso eu credito um pouco a umas mudanças idiotas que eu fiz na dieta. Foi uma combinação de ambos que me fodeu por um tempo. Outro problema dela é que normalmente é a droga (hormônio) mais cara que tem por aí. No geral, colocando na balança todos os benefícios e malefícios que eu tive, eu ainda acredito sim que vale a pena usar e eu pretendo voltar a usar-lá em breve.

O resultado estético é simplesmente fenomenal, deixa a sua musculatura com um aspecto mais denso, aumenta a vascularização e a "rage" na hora do treino faz você erguer mais peso. Você fica parecendo um fugitivo do asilo Arkhan que tomou uma superdose de ECA (Efedrina-Cafeína-Aspirina) com cocaína e foi treinar numa academia cheia de cheerleaders, sua motivação e disposição ficam a mil. Além de reduzir o tempo que você precisa de descanso, tanto de sono como entre as séries, ela faz você comer menos e render mais, então para mim que sou adepto de jejuns e não sou muito fã de ficar comendo toda hora, isso é simplesmente fantástico. Eu acho que já falei disso mas o grande trunfo da tremb não é nem tanto o anabolismo mas sima capacidade anti-catabólica que ela tem. Você pode ficar numa restrição alimentar severa que seus ganhos musculares vão permanecer praticamente intactos, por isso ela é tão usada na fase final de preparação dos atletas de fisioculturismo. O cara continua rendendo mesmo comendo muito pouco.

Conforme eu mencionei acima, também usei dbol por um período e posso dizer que gostei. Minha libido aumentou muito, tipo muito mesmo, acho que um bocado do que eu relatei no meu tópico sobre a satiríase foi efeito dela. Aumentou um pouco minha força mas os ganhos anabólicos não foram tão expressivos, pelo menos não comigo. Talvez seja a minha tendência de comer pouco que acabe prejudicando ou reduzindo essa característica, já que o dbol tem fama de ser muito anabólica. Na mesma medida, não me causou muita retenção (conforme falam também), acho que pela fato de eu não comer de mais.


Bom também

Sobre a dieta, abandonei os jejuns por um tempo e me arrependi amargamente. Eu não tenho certeza do porque disso, se já é uma configuração mental minha, ou seja, uma crença ao qual eu me adaptei a acreditar, ou se é uma questão metabólica bastante específica mas eu absolutamente não me dou bem e perco muito rendimento comendo mais vezes, o que é completamente ao contrário do que lemos e ouvimos em todos os lugares espalhados em qualquer lugar do mundo falando sobre treinamento. Passei de 2 refeições diárias para 5 e minha qualidade de vida despencou e foi de mal a pior a cada semana que passava, isso que eu sempre mantive o cuidado de comer bem.

Fiz um experimento da dieta vertical do Efferding que para resumir a coisa toda, você come apenas uma gama pequena de alimentos repetidas vezes no dia, para que com isso seu organismo gaste menos energia com digestão e consiga aproveitar melhor os nutrientes. Realmente é um bom plano e eu concordo com essa lógica conforme já falei por aqui no blog. Nesse período que estava fazendo a dieta vertical, aumentei a força e rendimento, embalei alguns kg com pouco acréscimo de gordura corporal e não me sentia um saco de merda durante, só que ainda comia só 3x no dia, permanecendo em jejum até o meio dia. Se eu resolver voltar a comer com mais frequência, essa sem dúvida é a única forma que valeria a pena. Pretendo falar mais dessa dieta em um post específico.


Faz sentido pra mim. 



Só que como é de se esperar, as coisas começam a se tornar um pouco "maçantes" com o passar das semanas, e comer basicamente só arroz, ovos e carne vermelha fica meio chato se você não tiver muito tempo para cozinhar e ficar perdendo tempo fazendo firulas culinárias para incrementar o sabor desses mesmos alimentos,  e nisso eu quis fazer algumas alterações, mantendo a razoabilidade é claro, para não pirar de vez e me manter focado.

De manhã logo ao pisar fora da cama ovos, mingau de aveia com whey no meio da manhã, almoço arroz e carne, tarde mingau de novo, pós treino eu comia qualquer carbo que estivesse afim (mas normalmente arroz) e mais alguns ovos antes de dormir. Nisso minha vida virou um inferno e cada vez treinar era um sacrifício grande. Perdi força, perdi rendimento, me sentia toda hora machucado, sem vontade de treinar, vivia estufado e com preguiça, minha rotina estava me esgotando o dobro que o normal. Ia no banheiro umas mil vezes por dia, fora que o corpo começou a embaçar e perdi a vascularização maneira que eu estava. Não que isso aconteça com todo mundo, óbvio que não, mas eu sou uma pessoa que nunca foi de comer muito, as vezes que quis ganhar peso foram as mais difíceis pra mim se colocado num aspecto amplo. Lógico, é ótimo não ficar com fome e comer coisas gostosas, porém minha vida não é só comer, treinar e dormir, e pro resto das minhas atividades cotidianas, estar sempre com a pança cheia é horrível. Aliás, treinar de barriga cheia é terrível. Acho que o meu processo digestório é um pouco mais lento que o normal.

Vendo a miséria pela qual eu estava passando, resolvi voltar para os jejuns, e fazer recargas de glicogênio nos finais de semana, nisso meus treinos e vida melhoraram da água pro vinho, parei de ir tantas vezes no banheiro, estava mantendo o meu peso, feliz e satisfeito. Acho muito difícil que eu abandone os jejuns novamente, o que eu vou fazer quando estiver querendo embalar alguns kg é fazer um dia de altas calorias no meio da semana, e uma super ultra compensação nos finais de semana. Não vou voltar a comer várias vezes ao dia porque isso absolutamente e definitivamente não funciona para mim, não deu certo em nenhuma das vezes que tentei.


Pesadelo!

Voltei a comer apenas duas vezes no dia, uma perto das 16:30h que eu como sempre, metodicamente ovos, aveia, mel e alguma fruta. Sempre. Uma coisa importante é preciso eu falar aqui nesse ponto. Fazendo um retrospecto eu acho que comecei a cagar com tudo quando comecei a falhar nessa refeição, que é a minha pré treino e é a que eu estou com mais fome. Durante um período eu comecei a comer o que tinha na vez nesse horário, e essa displicência começou a se espalhar para o pós treino e dai para todo o resto. Manter-me focado nessa refeição parece que segura todo o resto, porque ela é o desjejum e um erro aqui fará parecer que todo o esforço foi em vão, então eu faço questão de comer sempre essas coisas, por mais que tenha outra comida (mesmo sendo uma aceitável). Isso acaba me motivando a não cagar depois do treino, e também faz com que eu segure a onda e não coma durante o dia, pois eu sei que PRECISO dos micronutrientes dos ovos. Sim, micronutrientes, não é nem questão da proteína que eu poderia adquirir de outra forma, mas dos micros.

Quando você começa a operar num outro nível, treinando 2x ao dia usando sempre altas cargas e alto volume os micros passam a ter uma importância dobrada ou triplicada por causa da urgência que a recuperação muscular passa a ter, fora que faz com que sua imunidade não vá pra casa do caralho. A lição que eu gostaria de deixar aqui é que você precisa encontrar um âncora que segure a sua onda na dieta ,porque fazer dieta por semanas, meses a fio é bastante chato e desgastante. É importante fazer um planejamento prévio, deixar as comidas compradas ou prontas ou praticamente prontas pelo menos, porque quando a fome bater, você vai comer o que tiver se não estiver preparado, acredite.

Pós treino eu como qualquer carbo, e muita proteína. Minha dieta se resume nisso, suplementos só estou tomando creatina, nada mais. Minha força não diminuiu, meu peso se manteve e estou esteticamente bem. Saúde nem se fala, imunidade a mil.

Agora estou numa fase de corte, reduzi ainda mais essa comida, já treinava de manhã, mas passei a fazer uns 30 min. de aeróbico antes de de treinar as barras e paralelas e trabalho em alguma máquina de manhã, e pelo menos mais 30 min. todos os dias depois do treino, tomando mais água (em torno de 12 l/dia) para reduzir ao máximo a retenção hídrica. Gordura e água escorrendo pelo ralo rapidamente. Nos finais de semana mantenho o jejum, ou seja, a recarga está menos agressiva, o que está começando a pesar com o passar das semanas, sinto o corpo bastante cansado mas não sinto desânimo para treinar. Nessa semana por exemplo já perdi um pouco da força, mas vamos ver o que procede até o fim do ano.



Por hora é isso, ...

terça-feira, 20 de novembro de 2018

Física descomplicada para aumentar sua 1RM

Podemos considerar que esse texto é uma continuação/complemento deste AQUI.

---------------------------

por Stefan Waltersson

Você já deve ter ouvido a besteira de que "não importa o quão rápido ou lento você levanta a barra se você contrair os músculos e fazer suas repetições. É sempre o número de repetições e o volume que conta". Isso pode ser verdade para os iniciantes, já que suas repetições servem principalmente para encontrar o caminho certo para o sistema nervoso disparar os sinais para os músculos. Para nós halterofilistas mais instruídos, isso não poderia estar mais errado!

Estamos falando de levantar a barra a uma certa velocidade. Uma certa velocidade é uma velocidade em uma determinada direção. A velocidade é calculada por metros por segundo. Um objeto em movimento mantém sua velocidade na mesma direção, se nenhuma outra força o afetar. Portanto, devemos colocar mais foco na aceleração do nosso levantamento se quisermos adicionar mais força à barra. Pelo menos, se o objetivo for obter o máximo desenvolvimento de força. Você pode dividir a força em momentos diferentes, que discutiremos um pouco mais a frente. Mas em qualquer caso, a aceleração é um dos componentes mais importantes para a construção de força máxima. No entanto, você não deve confundir aceleração com explosividade.

Essa imagem representa aceleração ou explosividade?

Explosividade é levantar/puxar/mover em alta velocidade, enquanto que aceleração é aumentar a velocidade. Para treinar para força explosiva, geralmente usamos 30-70% de 1RM, enquanto a aceleração de treinamento para maior desenvolvimento de força bruta está próximo de 70-100% de 1RM. Entenda que você não deve contar o efeito da explosão, pois contribui para a força de aceleração através de um efeito sinérgico. Isso anda de mãos dadas com o sistema de Westside Barbell com Max Effort e Dynamic Effort. Você deve entender que tipo de esforço deverá colocar no trabalho para obter o efeito disso!

Quanto mais pesado for um objeto, mais energia será necessária para movê-lo. A aceleração aumenta a força, e quanto mais o objeto se move, mais força pode ser adicionada em forma de aceleração. Se a barra estiver no chão, ela é chamada de carga estacionária. A carga estacionária nunca pode alterar seu peso (sem aumentar a massa) até que ela passe para um movimento dinâmico. Uma massa de movimento tem energia chamada energia cinética; esta quantidade de energia cinética é sempre a mesma - até ser influenciada por alguma força externa (por exemplo, gravidade ou trabalho muscular). Uma massa, estacionária ou em movimento, está sempre no mesmo estado se nenhuma força externa a afetar. É por isso que devemos focar muito na criação da força, para obter potência como um resultado.

Quando uma massa estacionária é influenciada a se mover, a aceleração da massa é sempre proporcional às forças que a afetam. É até possível calcular a aceleração dividindo a força (F) pela massa (m), F / m = aceleração.

Como cada movimento sempre tem uma reação igualmente oposta, também podemos usá-lo para desenvolver ainda mais força. Se puxarmos um levantamento terra, a barra sobe do solo enquanto nossos pés são pressionados para baixo no chão. Tente pressionar seus pés com mais força contra o chão sem perder sua postura - você terá mais força para fazer o levantamento. Quando você faz um supino, você automaticamente aperta as costas contra o banco e os pés contra o chão. Se você apertar suas costas com mais força contra o banco, você terá mais força. Se você pressionar os pés com mais força contra o chão, terá um arco mais tenso, permitindo que a parte superior das costas se aperte ainda mais e adicione força ao levantamento.

Mesmo que você possa usar essa função de força reativa, você deve prestar atenção à técnica. É importante ser técnico nos elevadores, pois nos esforçamos para obter a menor distância possível. Uma curta distância de levantamento faz com que o caminho diminua, e o levantamento mais curto se torna menos desgastante, o que dá mais potência ao levantamento.

Dentro da física, os conceitos de trabalho, energia e potência medem o esforço necessário para realizar um movimento, explicam como a energia é transferida entre objetos ou sistemas e a quantidade de tempo necessária. À medida que treinamos para nos fortalecer, nos esforçamos constantemente para sermos mais eficientes na administração do nosso trabalho, energia e potência. Por exemplo, se você tomar o conceito de treinamento de Boris Sheiko, ele recomenda que você nunca faça muitas séries/reps a um percentual acima de 80% de 1RM. Estudos mostraram que você pode armazenar potência e energia trabalhando entre cinco repetições a 70% de 1RM e ainda manter uma boa técnica nos levantamentos. Com 80%, você pode fazer 3-4 repetições em uma posição de levantamento correto, mas a técnica nas repetições depois disso sofrerá. A resposta é fazer menos repetições e mais séries. Por exemplo, você pode fazer cinco séries de quatro repetições e ter um total de 20 repetições como um volume de qualidade. Se você tiver feito duas séries com 10, você pode ter um volume de 20 repetições, mas apenas 10 repetições com qualidade.


Sheiko

Você sabia que a energia não pode ser criada e não pode desaparecer? Só pode mudar de forma. A energia de movimento ou energia cinética depende do movimento do objeto, enquanto a energia potencial depende da posição/localização da massa. A localização do item cria energia estacionária pela gravidade que puxa toda a massa para baixo com 9,82 m/s cada quilograma. Isso significa que, se você puxar um peso do chão com 0,8 m/s - como na velocidade de força -, ele adicionará potência à gravidade com 10,62 m/s (cada quilograma). Digamos que você tenha uma barra com 200 kg, a carga estacionária é de 200 kg e quando você adiciona 0,8 m/s, ela corresponderá 216 kg apenas da energia cinética adicionada! Assim você tem uma carona para construir força apenas acelerando o seu levantamento.

Na força rápida (de velocidade), colocamos mais foco na velocidade do que na força. Então você deve puxar a barra entre 1.0 -1.3m/s em vez de 0.8 - 1.0m/s como fazemos com velocidade para força. Para chegar a essa velocidade, você não pode ir muito alto na sua porcentagem de 1RM. Se você pudesse extrair 200 kg a 1,3 m/s, isso representaria 11,12 m/s e corresponderia a 226,5 kg. Isso é incrível, pois a única coisa que você adiciona é a velocidade! Assim, de certa forma, você poderia ganhar força adicionando velocidade em vez de aumentar diretamente a carga. Se você consegue apenas puxar 200 kg a 0,8 m/s, é impossível aumentar mais a velocidade. Mas ao longo do tempo, você pode acelerar o seu levantamento, e isso vai torná-lo mais forte.


  • Velocidade para força (70-100%) - Carga relativamente alta o mais rápido possível, mas o foco está na carga;
  • Força rápida (velocidade) (30-70%) - Mova a barra muito rapidamente com o peso máximo que você pode suportar a esta determinada velocidade. Se a velocidade for lenta, você não estará mais treinando na área de força rápida.

Se você quiser mover uma carga pesada com uma força pequena, você pode usar uma alavanca. Mas da mesma forma, uma carga que é mantida longe do corpo criará uma carga maior com um peso menor. Portanto, é importante minimizar os braços da alavanca e colocar o peso o mais próximo possível do corpo para lidar com uma carga maior. Dessa forma, podemos maximizar nosso desempenho porque poderemos lidar com uma carga maior. Por isso a técnica é tão importante, porque com uma técnica apurada encontramos o caminho mais eficiente para a barra percorrer no menor espaço de tempo possível.

------------

NOTA DO HÉRCULES:  Também por isso é importante treinarmos para força se queremos melhor desempenho em qualquer esporte ou atividade física que seja. Lidar gradativamente com cargas mais pesadas (seja com peso bruto ou aumento da velocidade, conforme o artigo explica) melhora a eficiência neural e inter-intra muscular o que pode ser transferido a outras atividades que demandam potência muscular (Dynamic Effort).

Por isso se vc quer apenas ser um pseudo atleta um pouco mais eficiente na pelada do final de semana, quer ser melhor para pedalar por aí, fazer sua trilha, nadar, lutar alguma coisa, enfim, esqueça as máquinas e comece a treinar com pesos pesados e livres.

quarta-feira, 14 de novembro de 2018

Você está em "overtraining"? Está tudo na sua cabeça fodida

Por James Lewis

Acho surpreendente e inacreditável que as pessoas estejam tão apegadas à ideia de que o overtraining é uma aflição comum da qual todos na Terra, com um físico decente, devem estar sofrendo. Atualmente eu trouxe isso a tona. A crença penetrante e deletéria de que o overtraining é uma doença comum do treinamento está inegavelmente enraizada no precipitado declínio do tecido físico e intelectual do homem ocidental moderno. As pessoas insistem que a única maneira pela qual alguém pode ter sucesso em atividades físicas amadoras é fazer uma de duas coisas: 1) treinar MENOS, ou 2) usar um monte de drogas, cuja função é que os esforços hercúleos são completamente evitados pelo fato de você estar utilizado um atalho químico.

A primeira opção  reflete e exacerba simultaneamente o câncer social da fatalidade, estupidez e indolência com as quais somos constantemente perseguidos. O que, você precisa de mais tempo para assistir reality shows vendo um monte de pessoas insípidas e superficiais viverem estilos de vida impossíveis e depois disso ir trabalhar num emprego que você detesta pra comprar merdas que você não pode pagar achando que com isso as pessoas irão associá-lo com a mesma craca anal que viram na tv? Legal.

O segundo é ridículo por várias razões, mas a maior é que não importa se você alcança o seu sucesso na cultura física através do uso de EA´s ou não - todo mundo vai acusá-lo de usar tudo, desde insulina, esteroides e GH. Independente se você usar ou não  os "equipamentos", as pessoas vão encontrar uma maneira de negar o seu sucesso, porque eles acham que é impossível. Farão isso porque o homem moderno sempre acredita que os seus problemas são culpa de todo mundo, menos de si mesmo. Portanto, o fato de não poderem competir com pessoas que se esforçam muito mais do que eles próprios evidencia indiscutivelmente que isso é resultado de trapaças da parte do vencedor.

Essas questões são ainda mais ridículas se observarmos que atletas profissionais e olímpicos são considerados superiormente motivados de alguma forma, estando acima dessas críticas ilógicas. Assim eles deveriam ser descartados como absurdos "fora da curva", mas dado o ar onipresente de ignorância e estupidez impulsionado pela desinformação, um olhar mais atento é necessário.


Roy Benavidez - uma máquina de matar incontrolável durante a Guerra do Vietnã, que mesmo fuzilado em cada parte de seu corpo, carregou  sozinho um esquadrão de soldados feridos para dentro de um avião. Pendurado convocou ataques aéreos, mesmo depois de levar  mais balas e estilhaços de granadas, simplesmente porque ele não estava com vontade de morrer.

Isso nos leva ao cerne da questão - o poder da crença. Não, não estou me referindo a suas opiniões religiosas. Eles são completamente imateriais, exceto pelo fato de que se você acredita que é dotado de algum tipo de poder metafísico, você terá, simplesmente porque sua mente preenche seu corpo com força. Sargento Rory Miller, autor do que é na minha opinião um trabalho psicológico seminal "Meditations on Violence", discute com alguma extensão o fato de que as pessoas freqüentemente morrem em situações violentas porque são condicionadas pela televisão. Quantas vezes nos filmes você viu uma pessoa morrer com um tiro no intestino? Muitas vezes e quase instantaneamente. Na verdade, ferimentos por arma de fogo podem levar semanas para matar você. No entanto os policiais estão condicionados à crença de que um tiro matará uma pessoa e, com freqüência, morrem de ferimentos que poderiam sobreviver, simplesmente porque eles acreditam que devem morrer. (pp. 61, 83)

Acontece que o overtraining funciona da mesma maneira, embora no "Eastern Bloc" eles se refiram a esse fenômeno como "staleness". De acordo com Zatsiorsky, "staleness" é um fenômeno que ocorre devido ao estresse psicológico que é criado pelo treinamento contínuo em volumes de treinamento quase máximo. Fazer isso com freqüência é incrivelmente desgastante mentalmente, e esse esgotamento mental, como as questões mentais costumam fazer, se manifestam fisicamente. Os sintomas de "staleness" são os seguintes (Zatsiorsky, Vladimir, "Intensity of Strength Training Facts and Theory Russian and Eastern Approach", p. 15):

- diminuição do vigor;
- ansiedade e depressão elevadas;
- sensação de cansaço nas primeiras horas da manhã e percepção de esforço ao levantar um peso fixo;
- pressão alta em repouso;


Horrivelmente "overtrained". Horrivelmente. Mas você pode dizer porque ele é ...estupidamente forte e trincado, eu acho.
Soa familiar? Deveria, porque cada maldito trapo de musculação do planeta os relaciona como respostas fisiológicas à exaustão física criada pelo excesso de treinamento de um corpo. Isso, meus amigos, é importante, pois explode um buraco gigante numa teoria que já deveria estar em uma posição lógica extremamente tênue no cérebro de qualquer pessoa pensante. Além disso, certamente fode com as cadelas "você só pode treinar assim com esteroides", a menos que eles alterem seu argumento contra esteroides para a miríade de efeitos positivos dos altos níveis de testosterona no bem-estar psicológico, que em por sua vez, destrói o argumento "roid rage".

A conclusão de Zatsiorsky é treinar com pesos máximos ou quase máximos de competição, apenas 600 vezes por ano. Eu suponho que parece razoável, dado que os búlgaros fazem isso 4000 vezes por ano.

Claro, eles podem treinar o tempo todo, porque esse é o trabalho deles. Esse é o próximo argumento contra o alto volume de treinamento, não é? Invariavelmente, eles caem nisso - pessoas que treinam assim não têm vida, não têm outros interesses, não têm filhos, sem esposas, sem outras responsabilidades, sem diversão e blá blá bullshit. Você sabe o que são esses argumentos? Uma admissão tácita de que a verdadeira razão pela qual as pessoas recusam a eficácia do treinamento de alto volume e alta intensidade é porque elas não querem treinar desse jeito. Assim, elas não querem que os outros o façam, pois isso degrada ainda mais suas opiniões pessoais de si mesmos.

Uma citação que você pode pular se quiser:

Uma conseqüência divertida desse "mindset" moderno é a recente sugestão da comunidade de saúde mental de que o exercício pode ser viciante. Isso é simplesmente hilário. Tenho certeza de que eles estão apenas irritados com o fato de que as quantidades massivas de drogas psicotrópicas e estrogênio que o governo permitiu e colocou na água potável não nos transformaram (ainda) no povo que eles querem - não somos fracos e complacentes o bastante. Em breve eles vão começar a restringir a quantia que estamos autorizados a entrar no ginásio para que o nosso estado neofascista babá possa nos salvar de nós mesmos, assim todos os filhos da puta gordos lotando quadras de comida e bufês vão se sentir bem sobre si mesmos. 

Não existe tal coisa como vício em exercício, e mesmo se houvesse, essa porra de instituição médica definitivamente não é uma equipe de especialistas em exercícios qualificados para fazer esse diagnóstico. Certamente, há pessoas malucas por se exercitarem demais, sem comer o suficiente, no caminho errado. Elas são idiotas, e provavelmente ficaram loucas com a certeza de que a merda só parece piorar, em vez de melhorar. Jogue na mistura o envenenamento por estrogênio, açúcar branco refinado, televisão demais, uma sociedade supostamente baseada na liberdade de expressão que a suprime sempre que possível.  É uma conspiração tão profunda à mediocridade que a mente ficaria perplexa se não estivesse em um estado de estupor pela suavidade do fenômeno. Você tem aí uma receita para o desastre.

A prevalência da teoria do "overtraining" é o que a torna tão convincente, ao invés da experiência real dela. Em todas as revistas, em todos os quadros de mensagens, e em quase todos os livros sobre treinamento de força encontram-se avisos e numerosas advertências sobre o irresistível espectro do "overtraining". No entanto a prevalência de uma teoria, dificilmente é evidência de sua validade. Por exemplo, no passado, as pessoas acreditavam fortemente em bobagens como:


  •  A masturbação transformará você no babaca principal dos filmes de Crepúsculo, porque causa "semblante de palidez, olhos horrivelmente ocos, afundados com uma borda vermelha ao redor das pálpebras com círculos pretos e azuis". As masturbadoras, eles acreditavam, sofriam de insanidade, peitos-murchos, tuberculose (Grant, John. Discarded Science. P. 272-4) Essas crenças agora consideradas absurdas, foram amplamente difundidas e incontestadas na era vitoriana;
  • O caráter de uma pessoa pode ser definido a partir da sua aparência externa. Essa teoria chamada fisiognomia prevaleceu no tempo de Aristóteles e ganhou terreno durante a Idade Média. Na a maior parte do mundo pensante (mas não fisiculturistas), esta teoria morreu depois que William Sheldon publicou Atlas of Men (1940), que separou os seres humanos em três somatotipos distintos, chamados mesomorfos, ectomorfos e endomorfos. Soa familiar? Deveria. Este é o sistema idiota pelo qual cada fisiculturista novato no planeta se diferencia, nunca tendo lido o livro cretino sobre o qual esta pílula de merda de teoria anti-intelectual é baseada. A somatotipagem, como parte da psicologia constitucional, precisa ser relegada imediatamente ao depósito de lixo intelectual junto com seus semelhantes .
  • A humanidade tem menos de 10.000 anos de idade. Sim. As pessoas realmente acreditavam nisso. Oh espere, eles ainda acreditam. Uma pesquisa mostrou que 44-47% da população dos Estados Unidos acredita que as raças humanas é inferior a 10.000 anos de idade, apesar de toneladas literais de evidências em contrário. Ah, e 40% acreditam que a evolução é besteira. (Fonte)

O "overtraining" é muito semelhante aos casos acima mencionados, na medida em que foi tremendamente difícil desiludir as pessoas das suas crenças nessas teorias. As pessoas da era vitoriana realmente acreditavam que uma pessoa tinha um número limitado de orgasmos que poderia alcançar na vida, e que a masturbação minava a força de alguém. Assim como no absurdo da somatotipagem e da não aceitação da evolução, as pessoas ainda acreditam nisso, apesar de haver evidências científicas afirmando o contrário. Como alguém pode acreditar em tanta besteira, mesmo quando se provou ser patentemente, irrefutavelmente e categoricamente falso? Bem, quando essa crença se adapta às suas necessidades, encaixando-se em qualquer cosmovisão idiota a que você atribui, seja cristianismo puritano e anacrônico, ou alguma lenda ridícula da musculação.

"Overtraining" é considerado como uma "síndrome" definido como o desequilíbrio entre repouso e treinamento, onde o treinamento de alguém sobrecarrega a capacidade do corpo de se recuperar. Uma síndrome, você sabe, não é uma doença - é um nome que a comunidade médica dá a uma coleção de sintomas, geralmente para vender um produto. Não acredita em mim? Bem, veja o TDAH e as várias anfetaminas para "cura", também há o vibrador, que foi usado pelos médicos para tratar a síndrome da histeria feminina.


Tratando histeria feminina... hahaha

O outro problema colocado pela onipresença da teoria do "overtraining" é que ela cria uma estrutura que a nossa mente usa para nos afetar fisicamente. Assim, a mídia moderna é um ambiente projetado para o psicossomático (psicossomático significa: relacionar-se com, envolvendo ou preocupado com sintomas corporais causados por distúrbios mentais ou emocionais, de acordo com Merriam Webster). Doenças físicas associadas com "overtraining" se manifestam em nós porque acreditamos que elas devem acontecer. Marketing existe para fazer exatamente isso, e é muitas vezes um espelho distorcido refletindo de volta o pior de nós mesmos. Neste caso, é um reflexo da dedicação americana moderna para uma vida de facilidades. Um artigo intitulado "The Rule of Repetition in Marketing", de Marty Foley, ilustra bem esse fato:

A Regra de Repetição é muito básica, mas poderosa. Simplificando, significa que qualquer comunicação de marketing é mais eficaz quando é repetidamente trazida à atenção do seu público-alvo. Por que a repetição no marketing é tão importante? A maioria das perspectivas não responde imediatamente a uma única comunicação de marketing, ou talvez a várias delas. Há várias razões para isto: Seus "prospects" não estão familiarizados o suficiente com você ainda. A repetição ajuda a construir familiaridade, o que, por sua vez, ajuda a construir credibilidade. Alguns clientes em potencial começarão a reconhecer sua empresa e seus produtos somente depois de vê-los repetidas vezes. Aos poucos, eles vão reconhecer que sua empresa é estável, e não apenas mais uma operação "fly-by-night", e eventualmente começarão a desenvolver confiança suficiente para começar a fazer negócios.

Quando foi a última vez que você leu um artigo ou livro sobre treinamento onde o excesso de treinamento não foi abordado? Provavelmente no dia 7 de nunca. Assim, o "overtraining" é como o  horrível, disforme, inchado, flácido e atrofiado querido filho do Freddy Kreuger. Você fala sobre isso o suficiente, e lê sobre isso o suficiente, e eventualmente você vai começar a acreditar nisso - e é neste ponto que está fodido.



Então, a grande questão é "como diabos nós quebramos a corrente?" Fazemos isso da mesma maneira que sair o ciclo samsara - alcançando a iluminação. Assim como o filho da puta no final de cada filme do Freddy que percebe que o poder da crença funciona nos dois sentidos. O "overtraining" é uma besteira completa, mas o "staleness" é a explicação para os sinais fisiológicos tipicamente associados ao treinamento de alto volume. Assim, temos que derrotar nossas mentes usando os meios necessários. Como o Deebo em "Friday", precisamos ter controle mental sobre aquele filho da puta.

Se você não está treinando com uma frequência e carga que seria uma porcentagem apreciável daquelas com as quais os russos ou búlgaros treinavam, é altamente provável que quaisquer sintomas de "overtraining" que você esteja experimentando sejam psicossomáticos. Infelizmente, o tratamento para desordens psicossomáticas, que é essencialmente o que a maioria dos sintomas de "overtraining" é, não são para todos. Se você tem mais de 45 anos, não é inteligente, sofreu de invalidez por décadas, ou está convencido a ponto de ficar histérico (leia-se qualquer defensor da realidade da sua "doença") o tratamento será ineficaz. O tratamento pode ser feito com terapia medicamentosa, terapia de grupo e psicoterapia de apoio. (E. D. Wittkower, "Treatment of Psychosomatic Disorders" Can Med Assoc J. 1964 2 de maio; 90). Assim, aqui está sua psicoterapia de apoio: PARE DE SER UMA CADELA!! Terapia medicamentosa? Use muita testosterona, estimulantes e NSAIDS quanto forem necessários para facilitar o treinamento mais freqüente. Conforme seu corpo se adapta, você precisará de menos. Quanto à terapia de grupo, este blog é isso.

A hipnose também é recomendada para o tratamento de distúrbios psicossomáticos, mas infelizmente só é útil para melhorar o desempenho de pessoas destreinadas. Para atletas treinados, essa técnica só funciona para degradar o desempenho ... muito na maneira como a ideia de "overtraining" funciona. (Zatsiorky, Vladimir. "Intensity of Strength Training Facts and Theory: Russian & Eastern Approach."  Biomechanics Lab at the Pennsylvania State University, University Park, PA, and the Central Institute of Physical Culture- Moscow, Russia.  P.11).

Há sempre o método dos "Barbarian Brothers", também defendido por John Parrillo e Victor Richards - coma mais e durma mais para que você possa treinar mais. Aparentemente funcionou pro Vic - ele costumava comer 20.000-30.000 kcal, dormir metade do dia e treinar 3 horas a fio. Ele competiu antes do GH se tornar predominante no culturismo, e subiu ao palco com  1,62m e 149kg.



Todo mundo ama o Arnold, certo? Ninguém treina como ele. Por quê? Eles alegam que é impossível sem drogas. Bem - Arnold ganhava peso para as competições porque ele só usava o dbol durante a preparação. Ele treinava da maneira que fazia o ano todo (sem drogas), porque seu corpo estava acostumado a fazê-lo, e ele comeu e dormiu o suficiente para facilitar a recuperação adequada.

Enquanto estamos no assunto, o sono é uma ferramenta importante para prevenir a fadiga mental, assim como o orgasmo onipresente. Sexo é acusado de ser o tranquilizante mais seguro do mundo. Foder três ou mais vezes por semana reduz o risco de ataque cardíaco ou de derrame pela metade. O bom sexo é 10 vezes mais eficaz que o diazepam e outros sedativos quando se trata de proporcionar aos seres humanos uma sensação de alívio, satisfação e tranquilidade no sono e nos estados depressivos.


Goze mais. 

A moral dessa longa odisseia? "Overtraining" é, no geral, estrume. A menos que você tenha rabdomiólise e cuspa sangue, é provável que esteja apenas mentalmente exausto de esmagar pesos pesados. Como tal, treine mais leve por um dia ou dois, durma mais e transe mais. Se você está dolorido, coma mais e beba um balde de água. Problema resolvido.

segunda-feira, 24 de setembro de 2018

Soldados da besta: Os Berserkers PT III

Antes de começar, leia a parte um AQUI e a parte dois AQUI.


...


Boxers




Os Boxers eram uma organização religiosa/política/marcial na China no século XIX. Eles tinham suas raízes em duas organizações separadas; as Grandes Espadas e os Shenquan, ou os Boxers Spirit. Ambas as organizações tinham práticas semelhantes, ou seja, tornar o corpo invulnerável com a ingestão de bebidas misturadas com as cinzas de encantos queimados, que foi praticado pelos Grandes Espadas "The Armor of the Golden Bell". Mas o Shenquan também praticou a cura e a possessão, onde vários espíritos (qualquer um entre antepassados ​​falecidos aos deuses) foram chamados para possuir os corpos dos devotos.

A perseguição religiosa pelos cristãos naquele país combinada com as opressões políticas de nações ocidentais como a Inglaterra (que se esforçava para conquistar toda a China e inserir à força ao povo chinês ao ópio que era vendido a eles). Era grave a constatação que a China estava correndo perigo de ser destruída como um país, ou mesmo como uma cultura. Uma das mudanças mais notáveis ​​que isso trouxe foi a fusão das Big Swords com os Boxers Spirit para formar os Boxers, um grupo que usou suas práticas religiosas de posse do espírito para amplificar suas habilidades marciais, tornando-as resistentes à dor e a todas as formas de lesão, dando-lhes maior força e proezas de luta.

A deglutição de encantos continuou a ser uma prática para os Boxers, bem como a recitação de encantos falados. Mas o ritual primário para efetuar a posse foi chamado Koutou. Isso envolveu ajoelhar-se prostrado no chão enquanto batia a cabeça contra ele. Isto foi feito como um sinal de respeito pelo deus ou espírito que se invocava. E é claro que essa prostração tende a ter o efeito de sublimar ou eliminar o ego, enquanto os golpes repetidos na cabeça seriam um gatilho de adrenalina através da dor e da repetição. Por todas estas razões, parece óbvio que os Boxers praticaram uma forma de somafera.

Deve-se notar que os Boxers fizeram uso intenso não só da religião tradicional da China, mas também de elementos da cultura popular. Gnoses pessoais incomuns formaram uma grande parte da prática espiritual Boxer.

Os Boxers foram talvez o exemplo mais notável de somafera na história. Eles são os únicos responsáveis ​​pela Rebelião Boxer, uma revolta popular maciça contra os imperialistas ocidentais de ambos os selos políticos e religiosos. Ao contrário da maioria das outras organizações de somafera em todo o mundo, sua associação não foi fortemente restrita, e eles não fizeram nenhum esforço para manter suas práticas secretas. Procuraram ativamente recrutar alguém que estudasse com eles e anunciasse sua presença em todos os lugares. Numa época em que a China desabou sob o talão de ferro da opressão externa que eliminava implacavelmente qualquer rumor de oposição, os Boxers - com seus laços íntimos com a religião, o teatro e o homem comum - eram as únicas pessoas capazes de avivar nos seus compatriotas uma resistência efetiva .

Dacian Wolf-People





Os dacios, habitantes das áreas que são agora a Transilvânia e a Romênia, tiveram uma longa história de licantropos. Os Hirpi Sorani eram uma pequena comunidade que vivia de rapina e roubo, cujo nome significa "os lobos de Sora". Eles tiveram rituais anuais envolvendo caminhar descalço sobre brasas. Os Daoi eram a irmandade Daciana dos guerreiros lobo. Suas iniciações incluíam tatuagens, vestir peles de lobo, participação em ritos destinados a desencadear a agressão e diminuir a humanidade para dar-lhes maior força. Acredita-se que os ancestrais dos Dacios tenham iniciado alguns dos rituais das maêntas e tenham sido responsáveis ​​pela influência do desenvolvimento dos berserkers. E é claro que há muitos outros rituais na Romênia e na Transilvânia quanto a transformar-se em lobo.

Isawiyya





Isawiyya foi uma fraternidade religiosa fundada pelo fakir Sheikh Abu Abd Allah Sidi Muhammed ben Isa, como Sofiani al Mukhtari, antes do Islã ser totalmente dominante nas terras árabes. Ele afirmou que o djinn o serviu, e que eles estavam envolvidos na sua prática espiritual. E esta é a primeira das referências que esta prática tem para a candidatura como uma forma de somafera. Os djinn são espíritos da terra, como as ninfas e sátiros da Grécia antiga, as fadas celtas e os landwights nórdicos. Os djinn têm uma natureza animal forte, muitos deles sendo parte animal ou capazes de tomar uma forma animal. Muitos djinn que acompanhavam certas tribos nômades tinham a forma do animal de poder dessa tribo. Implicando ainda que esta era uma prática somafera é a existência da palavra "majnun" na língua árabe moderna. É usado para significar "louco", e literalmente se traduz como "possuído pelo djinn". Isso parece paralelamente a palavra "berserk" e a frase "running amok", que significam "loucos".

Existem muitas outras referências também. Os membros desta ordem (que admitiam homens e mulheres) eram famosos por seus apetites amorosos, algo mencionado sobre os praticantes somafera em todo o mundo. E outra característica comum atribuída a eles também é freqüentemente atribuída a praticantes somafera de diferentes tradições: a posse de uma influência quase semelhante a Orfeu sobre os animais, de modo que feras selvagens perigosas não os prejudicariam. Durante os rituais, os animais foram rasgados com as mãos nuas dos praticantes e consumidos em bruto, uma prática ritual das maças também. Os iniciados receberam nomes de animais que refletiam suas natureza animalesca interna. Durante os rituais, foram usados trajes de pele animal, assim como máscaras. Os membros da ordem foram divididos em grupos, que praticavam rituais juntos. Os grupos eram baseados na natureza dos animais dos membros. Leões, panteras, gatos, javalis, cachorros, chacais e camelos eram mais comuns. Isso parece ter sido uma prática dos berserks também.

Além disso, um dos rituais desta ordem foi o consumo de animais venenosos, como sapos, escorpiões, aranhas, etc., com nada mais prejudicial do que uma intoxicação, embora muitos dos animais comidos assim deveriam ser bastante perigosos. A resistência aos venenos é outra característica comum da somafera. Os rituais consistiam em flexões e balanços rítmicos que cresciam cada vez mais extremos e violentos, até que a espuma aparecia nos lábios, os olhos abotoados e vertigens. Neste ponto, eles começaram a atuar inteiramente como animais, rugindo e pulando. Isso parece uma descrição clara da prática somafera.

Jansenistas Convulsionários 





O jansenismo foi uma heresia católica iniciada por Jansenius, bispo de Ypres (na França), com base em uma interpretação particular das opiniões de Santo Agostinho. Amplamente popular, na sua morte em 1727, o túmulo tornou-se um lugar de peregrinação onde milhares pessoas eram atraídas diariamente. Em 1731, algo extraordinário começou a acontecer. As pessoas que tocavam o túmulo diziam ser curadas milagrosamente de várias doenças e aflições. E logo depois essas mesmas pessoas começaram a ser apreendidas por convulsões incontroláveis. Após o início das convulsões, muitos deles tornaram-se capazes de realizar feitos extraordinários, como tornar-se imunes a cortes por lâminas ou ser incapazes de se queimar. Alguns foram crucificados e depois não apresentavam vestígios das feridas. Alguns foram estrangulados, mas saíram ilesos. Uma vez que as convulsões começavam, se espalhavam como incêndio pela multidão. Este era um fenômeno extremamente difundido que durou anos e, eventualmente, atraiu pessoas de todo o mundo para assistir os feitos espetaculares dos convulsionários.

Parece bastante provável que este seja um exemplo de somafera. A resistência ao fogo e ao corte são dois dos atributos mais comuns da prática somaferana em todo o mundo. As curas milagrosas são outra indicação, pois muitas tradições somafera envolvem taxas aceleradas de cura. O fato de ter ocorrido em um estado espiritual e provavelmente de admiração religiosa (ocorreu em peregrinação ao túmulo de um mártir) é outra indicação, pois este é um método comum de induzir tais estados. Está registrado que os peregrinos muitas vezes jejuam, o que é outro gatilho comum. O fato de se espalhar rapidamente pela da multidão uma vez que começava, é outra pista, como muitas tradições diferentes observaram que a transformação da somafera é muito mais fácil estando com grandes grupos de pessoas, que o efeito parece contagioso.

É incomum que essas coisas envolvam tantas pessoas ao mesmo tempo. Mas a França na época estava passando por um período de violenta revolta política e social, então as emoções corriam fortes. Jansenius era uma figura religiosa e política amplamente popular, e sua morte abalou profundamente um grande público. É bem possível que até mesmo as pessoas comuns experimentem estados de somafera quando estão sob a influência de emoções fortes.


Lakota Ghost Dancers, Crow Sun Dancers





As tribos Lakota e Crow de nativos americanos pareciam ter formas de somafera. A tribo Crow é mais antiga, e a tribo de Lakota parece ter surgido, como os Boxers chineses, em resposta direta à destruição de seus povos por imperialistas políticos e religiosos. Em ambos os rituais, os participantes jejuaram por dias: sem comida, sem água. Durante o ritual, os participantes dançaram sem parar, durante dias. Na dança do corvo, o ponto era estar ao ar livre, de preferência sob o sol implacável. Ambos os rituais também envolvem elementos de purificação, como lodagens de suor ou banhos. O ritual do Corvo envolvia orações e meditações sobre vários animais, de modo que seus espíritos dariam maior força e resistência aos participantes. O ritual de Lakota recebia visões dos mortos e, muitas vezes, culminou com o desmaio dos participantes.

O fato de que estes eram rituais que por privação e dificuldade, deveriam dar poder e invulnerabilidade na batalha, no caso do Corvo, a ajuda dos espíritos dos mortos e animais, no caso dos Lakota, (as principais formas de somafera envolvem invocação de animais, mortos e deuses) indicam que eram somaferanos. Também deve-se notar que a forma original da dança fantasma, criada pelo homem sagrado Paiute Wakova, era de natureza pacifica. Ele assumiu o aspecto marcial apenas sob os Lakota.

Perchtenlauf




O berserkergang não era o único tipo de somafera praticado pelo nórdico antigo. Havia também os Perchten, devotos da deusa de vidoeiro Perchta. Eles eram um grupo religioso que a adoravam por meio do Perchtenlauf, uma procissão ritual em que os espíritos dos antepassados ​​mortos, ou mesmo de outros entre os mortos, eram invocados para um estado de posse. Isto foi realizado por uma combinação de dança frenética e um grande dinamismo cativo que levou os adoradores a serem selvagens. O mascaramento foi usado, onde as máscaras que representavam os mortos eram usadas.

Às vezes, o Perchten estava dividido em dois tipos, o lindo e o feio. Os belos distribuiriam presentes para aqueles que a procissão se deparava, o feio iria jogar brincadeiras ou roubar comida e cerveja. Em ocasiões raras, dizia-se que a própria deusa estava presente entre seus foliões, nisso as coisas podiam sair da normalidade, às vezes com resultados fatais. Os Perchten deveriam receber grande energia e força, juntamente com a selvageria do seu estado. Alguns registros sugerem que pelo menos em alguns lugares, os Perchten eram um culto predominantemente feminino. O Perchtenlauf sobreviveu muito tempo depois que todas as outras formas de culto pagão estavam extintas. Até mesmo manteve sua natureza pagã durante séculos.

Mais tarde, no século dezenove, os mais velhos recordaram que no início o Perchtenlauf usavam espíritos que realmente possuíam os foliões, e que tudo era muito sério, embora nesse momento atual essa estrutura maior não seja presente . A procissão ainda é realizada em alguns lugares da Europa, embora agora seja considerado um costume de folclore popular. Inclusive gerou rituais relacionados realizados em níveis populares nos Estados Unidos, como o Halloween. E ainda é praticado como um ritual religioso na Cúpula Católica, com a maioria dos mesmos detalhes, embora há muito tempo eles tenham substituído os deuses e as interpretações envolvidas com as suas.

Voudoun




Voudoun é uma religião originária das Caraíbas, uma combinação de várias religiões africanas e catolicismo que ocorreu como resultado direto do tráfico de escravos. Uma das principais formas de adoração do Voudoun é um rito onde os praticantes se tornam possuídos ou "montados" pelo loa. Os loa são espíritos e deuses de diferentes naturezas e poderes, e diferentes loa são atraídos para diferentes pessoas e/ou vice-versa. Quando em transe possessivo, os devotos realizam atos surpreendentes. Eles passam e massageiam vidro quebrado. Realizam feitos de força e resistência incríveis. Infligem feridas horríveis sobre si mesmos. São impermeáveis ​​à dor. Em geral, Voudoun é provavelmente a forma mais popular de somafera.

Homens selvagens das madeiras




Parece bastante possível, dado um certo ciclo de histórias e folclore que as práticas somafera foram realizadas na Europa desde a Idade Média até os últimos tempos, embora não como parte de qualquer "tradição" coesa. Isso não é inteiramente surpreendente, já que a Europa daqueles tempos era predominantemente cristã, uma religião que não se presta naturalmente à expressão em somafera, dada a sua proibição contra o contato direto com as forças divinas e contra todos os assuntos voltados para o eu.

Myrddin the Wild, Lailoken, Suibhne, Tristan, Lancelot e muitos outros são personagens desse conjunto de contos. Em cada caso, o protagonista é irritado por suas emoções (geralmente, quer o amor ou as experiências das batalhas) e foge de toda a civilização e entra na floresta para viver como um animal. Neste estado selvagem, os poderes estranhos sobrevivem frequentemente sobre ele, geralmente o dom da profecia, às vezes uma fúria que dá uma maior proeza na batalha. E, além desses ciclos de contos, havia outras histórias populares e rumores de tais homens na floresta, que muitas vezes eram confundidos com os animais com os quais moravam. Havia até mesmo ensaios escritos nos tempos medievais questionando se esses homens selvagens eram realmente humanos e se eles tinham almas que poderiam ser "salvas".

Há muito aqui para sugerir que pelo menos algumas dessas histórias eram sobre pessoas reais, praticantes de somafera que não podiam suprimir suas próprias naturezas e por força própria devem fugir da civilização que as rodeia e rejeitá-las. A súbita susceptibilidade às visões é um elemento comum da somafera, assim como a fúria na batalha e a adoção da natureza animal.


Berserks ficcionais

Ajax  ( A Ilíada , poema épico)



Um guerreiro poderoso, reconhecido por grande força e bravura, foi conduzido por paixões poderosas que incluíam fúrias que o levaram a atacar seus amigos e eventualmente se matar. Não se denominou um berserker, mas poderia ter sido.

Beorn  ( The Hobbit, livro)




Um guerreiro feroz, um homem selvagem que vive em harmonia com a natureza, Beorn é baseado nos berserkers nórdicos. Na batalha ele se transforma em um grande urso, e quanto mais irritado ele fica mais forte e mais invencível ele se torna.

Beowulf Grendel  (Beowulf , poema épico)



Embora muitas vezes tomadas em traduções de inglês para ser um poema sobre um herói lutando contra um troll, de fato pode mais se referir a uma batalha entre dois berserks. Grendel é muitas vezes descrito em termos usados ​​para descrever homens, não monstros. Ele, como berserker, luta com uma raiva animal que faz com que seu corpo seja imune às armas, tenha grande força e torna-se naturalmente cansado após a batalha. Beowulf tem uma força sobre-humana que é uma reminiscência dos berserkers.


Conan 



"Aqui veio Conan, o Cimério, de cabelos negros, de olhos sombrios, espada na mão, matador, com melancolia e alegria gigantesca, para pisar nos tronos de jóias da terra sob seus pés". Foi assim que Robert E. Howard descreveu sua mais famosa criação literária, Conan o Bárbaro. (Curiosamente, inspirado por um guerreiro celta semi-histórico chamado Conan, que praticou o riastradh, a versão celta do berserkergang.) Não é chamado especificamente de berserk, porém Howard claramente tinha berserks mitológicos em mente quando criou Conan, um personagem de paixões radicais e força quase sobre humana. Na batalha ele luta com despreocupação total, e torna-se furioso como um animal.

David/Bruce Banner  (The Hulk)


Embora não tecnicamente berserk, Bruce Banner (ou David Banner na série de TV) é muito parecido com um. Exposto a raios gama em um experimento de alteração fisiológica, ele permanece alterado permanentemente devido a alta dose de radiação que foi exposto. Para sempre, sempre que ele se irrita, Banner transforma-se no Hulk, uma grande criatura extremamente muscular, verde ou cinza (dependendo da versão). Hulk é comandado inteiramente pela raiva e possui uma força sobre-humana. Banner se tornou uma espécie de cobaia no próprio experimento, que o transformou no Hulk, procurando aprender a explorar as vastas reservas de força que todos os humanos possuem, e como isso permitiria por exemplo que as mães levantem carros onde houvessem crianças presas.


Dr. Jekyll  (The Strange Case of Dr. Jekyll e Mr. Hyde , livro)




O Dr. Jekyll é um cientista brilhante que está fascinado com a noção de que todas as pessoas são uma mistura de bondade e de maldade, e que essas naturezas opostas estão em conflito constante. Ele se torna obcecado para tentar descobrir uma droga que pode separar esses dois lados, para que eles não coexistam numa luta eterna, e para que o homem que tomasse essa droga fosse totalmente livre. Ele atinge seu objetivo e ao tomar a poção, ele se transforma no Sr. Hyde, o mal encarnado da natureza de Jekyll. Hyde é mais jovem e mais forte do que Jekyll, e é tão monstruoso que a sua natureza malvada distorceu seus traços. Hyde é amoral e comete assassinatos sem nenhum motivo. Jekyll se revela feliz pela fúria livre de Hyde, totalmente alheio as restrições sociais da Inglaterra vitoriana que Jekyll se sentia tão constrangido. Ele não se sente culpado, porque é Hyde que comete os crimes, não o bom médico. Mas ao longo do tempo Hyde cresce internamente, e ele começa a transformar-se em Hyde  mesmo sem a droga, e acaba consumido inteiramente.

Embora não tecnicamente um berserk, Dr. Jekyll torna-se uma espécie de berserk induzido por drogas. A força, a liberdade, a natureza animal, estes são aspectos comuns dos berserks reais. E também o vício da transformação que Jekyll desenvolve. Esta é uma história muito bem contada, uma leitura eficiente e uma excelente crítica não apenas a sociedade ocidental, mas também da natureza humana.

Elric  (The Elric Saga)




Elric of Melnibone é talvez a criação literária mais famosa de Michael Moorcock. Albino fraco e doentio, ele é o imperador do Império Melniboneano, que está definido na pré-história do nosso mundo. Os melniboneanos não são humanos, são mais como duendes ou fadas do mal, e governam a humanidade com um punho de ferro. Eles são totalmente carentes de compaixão ou misericórdia, exceto Elric, que muitas vezes se pergunta se seus sentimentos não são apenas mais um sinal de suas muitas deformidades genéticas.

Não se contenta em permanecer um mero espectador em sua própria vida, Elric mergulha profundamente na sabedoria feiticeira e aprende a reunir poder espiritual suficiente para fornecer aos seus membros escamosos força sobre-humana quando ele concentra sua vontade. Na batalha ele é varrido totalmente pela sede de sangue, e torna-se um animal. Num momento da série, um homem que Elric está defendendo contra uma horda de monstros reptilianos declara que não tem certeza do que tem mais medo: das coisas que o atacam ou aquilo que o defende. Esta sede de sangue eventualmente faz uma cunha entre Elric e praticamente todos os que ele conhece.

Mas a compaixão e a misericórdia que estão no cerne do seu ser e motiva-o a tentar reformar o seu povo, nunca são suficientes para reprimir completamente a sua raiva. Mesmo a melhor de suas intenções é continuamente subvertido por seu destino sombrio, como é comum aos personagens com o traço do arquétipo "tragic hero". Isto é em grande parte devido à posse da espada Stormbringer, que tem uma lâmina preta que revelou ser um poderoso demônio em forma de espada. Stormbringer dará grande força e vitória nas batalhas, mas exige um preço terrível: ela periodicamente irá forçar Elric a matar aqueles que mais ama, para alimentar seu poder. (Não que ele faça isso de bom grado, a espada tem uma mente própria e um profundo controle sobre ele). E pior: a espada não mata apenas, ela consome almas daqueles que são abatidos.

Depois de perder tudo o que ele acreditava, no final da série, Elric consegue transformar sua raiva e maldade num mal ainda maior e acaba destruindo os Senhores do Caos, abrindo caminho para um mundo novo nascer, livre de sua influência maligna que permite o surgimento da humanidade.

Moorcock baseou Elric e Stormbringer na a mitologia nórdica, especificamente sobre os mitos de Odin. Elric é o típico herói Odínico: poderoso, louco, apaixonado, destemido e condenado. Um berserk. Stormbringer baseia-se na espada mitológica Tyrfing, uma lâmina malvada que Odin deu a alguns dos heróis escolhidos que concederiam a vitória em qualquer batalha, mas obrigariam o possuidor a tornar-se periodicamente semelhante a ela.

Fafhrd  (série de Fritz Leiber)




Apenas um pouco menos conhecidos do que o Conan de Howard são o par de bandidos conhecidos como FafhrdGray Mouser, protagonistas da série de Leiber publicadas entre os anos trinta e os anos oitenta.

Principalmente no mundo hostil de Nehwon  principal cidade de Lankhmar, lar de toda corrupção e vícios imagináveis, os contos seguem esse par de amigos através de suas tentativas de sobreviver à dura realidade de vida em Nehwon de cair numa vida desonesta e bêbada que é onde a maioria cai com a maior freqüência. Fafhrd é um berserk gigante das terras congeladas do norte que veio para o sul nos climas mais temperados para buscar fortuna.

Leiber tinha uma ideia bastante clara e  precisa do que eram os berserks, analisando maneira como ele usa esse termo para descrever Fafhrd. Ele é um lutador feroz, o melhor em todo o mundo ao lado de seu companheiro. Na batalha, ele sucumbe à fúria da batalha, o que o torna às vezes imprudente com a sua segurança e extremamente difícil de vencer. Ele é propenso a grandes paixões, e em várias ocasiões está disposto a desistir de tudo o que tem e sabe para segui-los. Sua loucura na batalha pode muito ocasionalmente ir longe demais, como quando ele procurou destruir a Guilda dos Ladrões na sede de vingança pelo assassinato da mulher que amava. Mais tarde, quando a sede de sangue passou, ele lembrou que um dos ladrões que ele matou quando possuído pela loucura assassina era apenas uma criança, fato esse que o assombra futuramente.

Fafhrd viaja para nossa Terra num momento da série, e naturalmente se torna adorador de Odin, deus dos berserkers. Além de Fafhrd, outros berserks aparecem como personagens menores durante toda a trama, muitas vezes como inimigos, e no final, Fafhrd se torna capitão de um grupo de berserkers. Fafhrd é um dos berserks ficcionais retratados com mais precisão e esta série é provavelmente o meu exemplo favorito do gênero "espada e feitiçaria".


Guts  (Berserk)


Série de Kentaro Miura,  Berserk  é a história de Guts (ou Gatz, Gatsu, Gutts, dependendo da transliteração) um jovem soldado em Midland, um país ficcional muito parecido com a Europa medieval. Órfão nascido em circunstâncias horríveis, ele foi entregue do cadáver que era sua mãe e criado por um soldado abusador egomaníaco, que lhe ensinou a arte da guerra. Pronto a ataques de raiva transcendental e totalmente inepto socialmente, ele é um dos melhores e mais exatos berserks retratados na ficção em qualquer lugar. Ele não tem medo da morte, e nunca recua em combate, mesmo quando a retirada seria o mais razoável a se fazer. É constantemente atormentado por visões repetidas de erros que ele cometeu no passado, e por seres demoníacos que querem devorá-lo (elementos nada incomuns na vida de muitos berserks reais). Claramente ele tem um coração amável e compassivo, mas, como a maioria dos heróis trágicos de toda a literatura, a própria configuração da história parece ser um comentário sutil e inteligente sobre as diferentes maneiras pelas quais os homens podem se tornar monstros.

Embora capaz de coisas verdadeiramente horríveis, e exteriormente monstruoso, Guts ainda tem um coração humano carinhoso. Outros podem parecer mais atraentes e humanos, mas têm gelo nas veias e no final, são muito piores do que poderíamos imaginar. O mangá continua a história de onde o anime parou, mas como eu só vi o anime, é tudo o que posso comentar. Muito bem escrito, sem episódios de preenchimento, sem células reutilizadas, obra de arte de alta qualidade, muitas ações paralelas que são impulsionadas unicamente pelo desenvolvimento dos personagens, o que é muito agradável de assistir.

Wolverine  ( X-Men)




Os X-Men, inicialmente uma série de quadrinhos e mais recentemente uma série de filmes, trata de um mundo onde mutantes com superpoderes nascem regularmente ocupando papéis de super heróis ou super vilões. Um dos personagens centrais dessas histórias é Logan (Wolverine), conhecido por sua natureza bestial, furiosa e proeza suprema de luta. A mutação específica de Wolverine é que ele é um berserk, anormalmente forte, destemido, feroz e rápido. Ele é capaz de curar-se extremamente rápido, mesmo de lesões graves. Seus poderes de cura são tão avançados que ele envelhece lentamente, mesmo com mais de um século de idade ainda parece ser um homem de 30 anos.

Wolverine nunca está confortável quando rodeado por outras pessoas, e se sente incapaz de entender ou de se relacionar com elas. Ele normalmente está sozinho na região selvagem, e muitas vezes sente que é mais animal do que um homem. Periodicamente, sua natureza animal o domina e o conduz a ações que ele julga reprováveis ​​quando recupera seus sentidos. A maior parte da sua vida parece dominada por uma luta para equilibrar sua natureza humana e animal. Embora a extensão das habilidades do Wolverine seja muito exagerada sobre as habilidades dos berserkers na vida real, eles são em sua essência as mesmas. Sua incapacidade de se adequar à sociedade humana normal e sua eterna luta entre seu lado humano e animal são características na vida de muitos berserks reais.

Heroic Feats


Algumas sociedades guerreiras celtas (escocesas, irlandesas, galesas, etc.) tinham uma forma particular de treinamento marcial cujos elementos eram chamados de "feats", ou "feitos heroicos", ou "cles". Esses talentos demonstram capacidades extraordinárias de força e destreza. O método de treinamento neles aplicados parece ser simplesmente repeti-los até que se aprenda a focar a força suficiente para gerar grande poder. Exemplos destes talentos incluem cortar o botão de uma camisa com uma espada larga sem cortar a camisa ou o homem que está usando, malabarismo de nove maçãs com apenas uma mão, segurar uma bola de metal no ar soprando-a, e muito, muito mais.

Apenas certas pessoas (heróis) foram capazes de aprender essas façanhas. Muitas vezes enfrentavam testes como enterrar-se até a cintura e afastar as lanças lançadas por vários outros guerreiros, ou ser perseguido pela floresta por um bando de combatentes e não bagunçar nem mesmo um único fio de cabelo num elaborado penteado. Em muitos casos, os feitos foram mencionados como tendo sido aprendidos através de meios sobrenaturais.

Um guerreiro em particular, sem dúvida o mais famoso dos guerreiros celtas, foi nomeado Cuchulain. Ele foi treinado nos talentos, e seu estilo particular de luta foi chamado de "warp-spasm", ou riastradh. No "warp-spasm", sua força se tornava sobre-humana, assim como sua destreza. Armas não poderiam machucá-lo. Seu aspecto mudava e tornava-se monstruoso. Nesse estado, diziam que ele gerava calor suficiente para derreter a neve ao seu redor, e estaria com tanta raiva quanto um animal selvagem enjaulado. Há outro estado alcançado por aqueles que perseguiam feitos heroicos e atividades espirituais celtas similares que é chamado de Aawen, e é uma forma de poder espiritual que parece análogo ao estado Helblindi do berserkergang (como o riastradh é análogo ao wod do berserkergang).




Indivíduos notáveis


Tem havido um número de indivíduos famosos que aparentemente descobriram completamente sozinhos uma forma de somafera, independentemente de qualquer tradição maior. Talvez o mais notável deles tenha sido o Pirata Barba Negra. Barba Negra era um imponente indivíduo (193cm", 100kg)  cujo nome era suficiente para inspirar um terror tão grande que a maioria dos comerciantes simplesmente desistiria da sua carga sem hesitação ao invés de tentar enfrentá-lo numa batalha.

Uma das razões para isso era a sua selvageria. Diziam que ele usava cordas revestidas com pólvora na sua ampla barba negra, e as acendia quando uma luta começava, de modo que quando enfrentava seus inimigos frente e frente, seu rosto estava envolto em fogo, faíscas e fumaça - um rosto verdadeiramente demoníaco. Na sua vida pessoal, ele também era um homem duro, até mesmo consigo mesmo. Ele tem a fama de convidar alguns de seus companheiros para irem na sua cabine, dizendo: "venham, vamos fazer um inferno e tentar ver quanto tempo podemos aguentar". Uma vez lá dentro, ele acenderia vários potes de enxofre e lá sentariam juntos, enquanto a fumaça venenosa e acre enchia o pequeno espaço. Seus homens finalmente implorariam por misericórdia, mas Barba Negra não parecia de forma alguma afetado pela experiência.

Ele tornou-se uma vítima do seu próprio sucesso. A Marinha Inglesa rastreou-o e envolveu-o numa batalha. Naturalmente ele saltou para o ataque, e foi baleado na cabeça pelo comandante, mas continuou em frente, atacando. Um fuzileiro naval que estava escondido, surpreendendo Barba Negra por baixo, deixou o pescoço do pirata aberto com um terrível golpe de espada. Mas Barba Negra ainda continuou lutando. Ele foi baleado várias vezes, mas mostrava-se indomável, embora estivesse se afogando no próprio sangue. Acabou sendo cercado, sofrendo uma ferida horrível após outra. Foi cortado e baleado várias vezes mas e ainda permaneceu firme. Finalmente algo pareceu ceder e ele de repente caiu morto. Foi decapitado e seu corpo jogado ao mar, embora algumas testemunhas tenham jurado que seu corpo sem cabeça continuava se movendo por algum tempo. Exame pós-batalha mostrou que ele sofreu mais de trinta feridas, qualquer uma das quais deveriam ter sido fatais.

Barba Negra parece, obviamente, um praticante de somafera, na medida em que ele mostrou claramente a capacidade de lutar mesmo depois de receber ferimentos mortais, uma das características dos berserks. Além disso, seu estilo de luta (aliado ao terror), é consistente com práticas de somafera, como o berserkergang e o Running Amok. E sua resistência a emanações nocivas é mais uma evidência, assim como sua indiferença ao sofrimento.




Outro desses descobridores independentes da somafera foi Rasputin, o Mad Monk da família Romanov. Ele era um monge do Skopsty, um desdobramento da Igreja Ortodoxa Russa que acreditava que ceder à tentação em todas as coisas era a única maneira de alcançar a redenção. Ele cumpriu bem essa doutrina, e seu ilimitado apetite sexual eram bem conhecido assim como sua tolerância e amor pela bebida forte. Era conhecido por ter poderes mesméricos e por ter uma influência assustadora sobre a mente dos outros. Também foi reputado por ter habilidades proféticas, bem como o poder de curar. Foram suas habilidades de cura que atraíram a atenção de Nicolau, o czar da Rússia e sua esposa Alexandra, cujo filho era hemofílico. Depois que Rasputin provou ser capaz de parar o sangramento incontrolável do menino, quando todos os médicos tinham falhado, ele se tornou um íntimo do casal real.




E isso que acabou sendo a sua ruína. Rumores se espalharam sobre a influência que ele tinha sobre o casal real, e outros membros da família ficaram com ciúmes e medo. Finalmente organizaram seu assassinato, que não foi nem de perto fácil de realizar quanto eles pensavam. Primeiro o alimentaram com comida e vinho envenenados, mas o veneno parecia não ter efeito. Um dos assassinos ficou impaciente e atirou-o à queima-roupa, ao que ele desabou no chão. Mas este não foi o fim. Quando o atirador voltou com os outros conspiradores para mostrar-lhes o corpo, Rasputin pulou do chão para o ataque, estrangulando o homem que atirou nele. Vendo sua aparente invulnerabilidade, seus assassinos ficaram apavorados e fugiram. Quando mais tarde reuniram coragem, encontraram Rasputin rastejando pelo chão até o portão, então atacaram novamente, atirando e espancando-o. Mas mesmo isso era insuficiente para mata-lo, pois quando os conspiradores se cansaram, descobriram que a vida ainda permanecia no seu corpo. Sem saber mais o que fazer, amarraram-no e jogaram-no num rio congelado. O cadáver de Rasputin foi encontrado mais tarde, sem cordas, indicando que ele havia sobrevivido à imersão na água gelada por algum tempo enquanto concentrava força suficiente para arrebentar as cordas.

Por razões similares às do Barba Negra, parece óbvio que Rasputin praticou uma forma de somafera. Sua resistência ao veneno, sua capacidade de lutar depois de ser baleado, o fato de que mesmo depois de receber inúmeros ferimentos que deveriam ter matado qualquer homem normal e ser imerso na água fria o suficiente para paralisar seus membros e ainda encontrar força suficiente para arrebentar as cordas que o amarravam. Ademais, seu excessivo desejo sensual por sexo e bebida são atributos de muitos praticantes da somafera e parecem estar relacionados com a natureza extrema de todas as emoções encontradas em todos os tipos de somafera nascidos. Além disso, suas habilidades hipnóticas e a influência que ele disse ter sobre a mente de algumas pessoas são coisas mencionadas em algumas outras formas de somafera, como nas "Heroic Feats".

Outro exemplo notável de um descobridor individual de somafera é Bruce Lee. Quando jovem, o Sr. Lee era conhecido por ter pavio curto e um furioso mau humor. Em parte por esta razão, e pelas constantes brigas de rua que ele se metia, e do medo de um demônio que a tradição da família afirmava que tinha tentado matar os homens do clã, o pai de Bruce Lee mandou-o para a América. O Sr. Lee aprendeu artes marciais na China e uma vez na América abriu uma cadeia de escolas que ensinava essas artes. Por isso, ele despertou a inimizade de artistas marciais chineses mais tradicionais, que achavam que ele estava violando regras ensinando essas artes aos estrangeiros. Como resultado de uma briga que começou por estas razões, o Sr. Lee ficou gravemente ferido, com uma espinha quebrada. Completamente imobilizado por mais de seis meses, ele teve uma epifania e vinda do coração das artes marciais que praticava. Transformou esta visão sobre o todo num sistema de arte marcial, Jeet Kun Do, que enfatizava não as formas, mas o controle do chi e alcançar uma ampla consciência que englobava tudo no ambiente e na natureza interna do lutador.




Bruce Lee parece ser possivelmente um praticante de somafera por várias razões. A primeira é a série de encontros que ele teve com o demônio da sua família em visões. A Somafera freqüentemente envolve um componente visionário, e visitações terríveis por uma entidade demoníaca são bastante comuns para aqueles que a praticam. A próxima razão é a natureza do Jeet Kun Do. Sua ênfase soa notavelmente como um estado unitário, e chi é o tipo de energia interna utilizada em várias tradições de arte marcial somafera. Além disso, há a maneira pela qual o Jeet Kun Do foi descoberto. Foi durante a recuperação de uma lesão traumática, que se encaixa bem com o molde comum da somafera, em que alguma grande necessidade ou proximidade com a morte realça a capacidade de alcançar a transformação da somafera. Além disso, sofreu nas mãos de um inimigo, e relatos dizem que, quando jovem, o Sr. Lee ficou incrivelmente furioso sempre que derrotado. Essa poderosa valência emocional certamente alimentaria uma transformação semelhante à somafera. Foi visionário na maneira como ele chegou a entendê-la. Seu estilo de luta era altamente agressivo e enérgico, e mostrava sinais de somafera na reunião interna de energia que ele obviamente realizara, bem como a sutil alteração em seu corpo físico, incluindo uma súbita protuberância dos músculos e vermelhidão da carne, ambos os quais são consistentes com um estado de somafera. E seu famoso "desafio de 60 segundos" mostra certas semelhanças com o War-Fetter, uma técnica marcial dos berserks.

"Black Elk Speaks" é a autobiografia de um curandeiro Lakota e primo do Crazy Horse. Baseando-se no que ele tinha a dizer sobre o primo, aparentemente Crazy Horse era um somaferano. Ele era um homem muito espiritual e propenso a visões. Recebeu seu nome e suas habilidades de batalha numa visão em que o mundo desaparecia de sua vista e ele se encontrava no mundo espiritual, sobre um cavalo feito de sombras que se contorciam e se transformavam como uma sombra. Depois dessa visão, foi dito que ele se tornou invulnerável na batalha simplesmente se concentrando e colocando-se de volta ao mundo espiritual. Ele provou isso em uma ocasião quando seu irmão caiu durante um ataque dos soldados dos EUA. Ninguém se atreveu voltar e buscá-lo, já que o inimigo estava muito próximo, mas Crazy Horse atacou sozinho todo o exército, pegou seu irmão e se retirou de lá.



Embora os tiros de todos os soldados fossem na sua direção, ele não ficou ferido. Também fez algo similar na batalha "Little Big Horn", cavalgando até a linha inimiga e fazendo com que disparassem contra ele. Permanecia ileso e deu aos seus camaradas a coragem para atacar e massacrar o inimigo. Black Elk disse que Crazy Horse era um homem muito estranho, propenso a humores que ninguém conseguia entender e que muitas vezes jejuava durante dias a fio. E é interessante notar que ele se mostrou tão difícil de matar que o exército dos Estados Unidos acabou recorrendo a uma espécie de emboscada: conceder-lhe passagem segura para cuidar de sua esposa moribunda e depois assassiná-lo quando estivesse perto e distraído, tendo um soldado disfarçado que supostamente estava apenas trocando informações com ele, assim não saberia quando era hora de tornar-se invulnerável.


... 


No próximo post dessa série entraremos na parte prática. Será que é possível treinar e acessar essa poderosa energia espiritual? Como poderíamos fazer isso? Fiquem ligados ...


CONTINUA...